17:48 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Fuzil de sniper (foto referencial)

    National Interest avalia os mais estranhos fuzis soviéticos

    © Sputnik / Vitaly Timkiv
    Defesa
    URL curta
    2110
    Nos siga no

    A revista estadunidense National Interest avaliou os mais estranhos fuzis automáticos experimentais soviéticos que nunca entraram em serviço, mas mesmo assim ajudaram os especialistas em armas soviéticos.

    A revista National Interest destacou os modelos TKB-011 e TKB-022, que são parecidos com as armas de "filmes sobre alienígenas". Eles foram feitos de acordo com a configuração bullpup, onde o gatilho se encontra à frente do carregador de munições.

    Segundo os especialistas, esta configuração permite economizar espaço, mas pode causar problemas para atiradores com braços demasiado longos ou curtos. Além disso, o carregador acoplado à coronha muda o centro de gravidade da arma e a torna volumosa e pesada.

    Como outro exemplar "estranho" a revista destacou o fuzil automático TKB-0146. Os autores do artigo ficaram surpreendidos pela sua cadência de tiro, no regime automático a arma fazia cerca de 2.000 disparos. No entanto, o modelo nunca foi posto em serviço devido ao consumo de munições demasiado elevado.

    Os especialistas também destacaram o modelo TKB-059. Esta arma foi feita na configuração bullpup e tinha três canos. O fuzil tinha um carregador especial com três blocos no interior, cada um dos quais fornecia cartuchos para um cano diferente.

    Os autores do artigo sublinham que, apesar dos ditos protótipos nunca terem entrado em serviço, eles se tornaram em bases para experimentos e ajudaram os especialistas em armas soviéticos a ampliar suas capacidades.

    Mais:

    Fuzil Kalashnikov ontem e hoje
    Terror em campo de batalha: revista americana avalia novo fuzil russo
    Novo fuzil de sniper russo SVDK é o mais letal da categoria, avalia mídia dos EUA
    Tags:
    The National Interest, União Soviética, fuzis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar