17:53 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Snaiper russo participa de treinamento do batalhão da frota do Pacífico (foto de arquivo)

    Novo fuzil de sniper russo SVDK é o mais letal da categoria, avalia mídia dos EUA

    © Sputnik / Vitaly Ankov
    Defesa
    URL curta
    5492
    Nos siga no

    O novo fuzil de precisão russo foi projetado para penetrar os coletes à prova de bala mais resistentes do mundo. Testado com sucesso no campo de batalha sírio, o SVDK não tem similar nos países da OTAN, diz revista norte-americana.

    A revista norte-americana The National Interest avaliou o desempenho do novo fuzil de sniper semi-automático russo SVDK.

    De acordo com a revista, o rifle, que pesa somente 6,5 kg, é capaz de penetrar qualquer colete à prova de balas a uma distância de até 600 metros.

    A arma é muito relevante para o Exército russo, uma vez que os seus rifles anteriores, o SV Dragunov e o SV-98 não resistiam aos coletes à prova de balas mais sofisticados produzidos nos EUA.

    Para solucionar o problema, os russos desenvolveram o SVDK de grande calibre, destinado a penetrar nos equipamentos individuais de proteção mais pesados.

    Presidente russo, Vladimir Putin, testa fuzil de snaiper durante visita ao Parque Patriota, na região de Moscou (foto de arquivo)
    © Sputnik / Aleksei Nikolskii
    Presidente russo, Vladimir Putin, testa fuzil de sniper durante visita ao Parque Patriota, na região de Moscou (foto de arquivo)

    A base da nova arma é o rifle de caça Tigr-9, utilizado para abater animais de grande porte, como elefantes.

    Testado no campo de batalha na Síria, o SVDK já demonstrou sua eficiência e foi definitivamente incorporada às operações de snipers russas.

    Mais:

    Versão russa do fuzil AR-15 é apresentada em feira em Moscou
    Fuzil Kalashnikov: que pensam militares experientes sobre arma lendária?
    Fuzil Kalashnikov ontem e hoje
    Tags:
    Rússia, força letal, colete à prova de balas, fuzil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar