13:14 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado durante treinamento na região de Murmanks, no Ártico.

    Ameaça de conflito no Ártico é 'sensacionalismo' que 'vende muito bem', diz mídia francesa

    © Sputnik / Pavel Lvov
    Defesa
    URL curta
    170
    Nos siga no

    Apesar das incertezas climáticas e do fortalecimento das forças russas e norte-americanas na região, o risco de um conflito militar ou econômico na região do Ártico é "exagerado", diz especialista francês.

    O professor da Escola de Relações Internacionais de Paris Mikaa Mered conversou com o jornal francês Le Figaro sobre a remilitarização da região do Ártico declarando: as previsões de um conflito militar e econômico na região são fruto do sensacionalismo.

    "O sensacionalismo midiático e político sobre o comércio e, mais ainda, sobre a possibilidade de um conflito armado entre as grandes potências no Ártico é excessivo, mas vende muito bem", disse Mered.

    O especialista reconhece que Rússia e EUA estão reconstruindo rapidamente suas forças no Ártico, mas lembra que a presença militar ainda é "uma fração da força que eles possuíam [na região] durante a Guerra Fria".

    "Os Estados Unidos são líderes em matéria de submarinos e ações furtivas, mas a Rússia dispõe de uma capacidade de projeção de superfície muito superior, graças a seu pessoal formado para operações em clima frio e à sua frota de quebra-gelos, de muito longe a maior do mundo", declarou.

    Segundo Mered, os Estados Unidos ficaram mais de 40 anos sem construir nem uma unidade de navio quebra-gelo ou capacitado pessoal para conduzir operações no Ártico.

    Soldados russos durante sessões de treinamento da Frota do Norte, da Marinha Rússia, em operações de combate no Ártico
    © Sputnik / Pavel Lvov
    Soldados russos durante sessões de treinamento da Frota do Norte, da Marinha Rússia, em operações de combate no Ártico

    "Os EUA deverão demorar oito anos para fabricar apenas um, a um custo superior a 800 milhões de dólares [cerca de R$ 3,5 bilhões], duas ou três vezes mais do que um quebra-gelo moderno russo ou chinês", disse Mered.

    Para o autor do livro "Os mundos polares" ("Les Mondes Polaires", 2019, editora PUF), no entanto, o sensacionalismo em relação aos riscos de um conflito na região também subestima a cooperação entre a Rússia e os EUA no Ártico, uma vez que ambas as potências estariam interessadas em manter os atores externos fora da região.

    "A Rússia deveria encorajar uma cooperação mais estreita com as sete outras potências árticas, inclusive com os Estados Unidos [...] A cooperação russo-americana na região entre o Ártico e o Pacífico continua boa. Sua mensagem conjunta é clara: somos nós quem controlamos o estreito de Bering", explicou o Mered.

    A Rússia detém a maior frota de quebra-gelos da região do Ártico e é o único país do mundo a desenvolver quebra-gelos nucleares.

    Quebra-gelo russo Ivan Papanin durante cerimônia de lançamento em estaleiro de São Petersburgo, Rússia
    © Sputnik / Aleksandr Galperin
    Quebra-gelo russo Ivan Papanin durante cerimônia de lançamento em estaleiro de São Petersburgo, Rússia

    Em março deste ano, a Rússia inaugurou o primeiro quebra-gelo armado da região, chamado Ivan Papanin. O segundo quebra-gelo armado, Nicolai Zubov, tem o lançamento previsto para 2020.

    Mais:

    Revista americana: EUA perdem para Rússia em corrida armamentista no Ártico
    Não se esqueçam de Stalingrado: Rússia manda recado após compra pela OTAN de camuflagens para a neve
    Quebra-gelo nuclear russo desbrava Ártico em timelapse deslumbrante (Vídeo)
    Após querer comprar a ilha, Trump recebe diplomatas da Groenlândia para discutir presença no Ártico
    Tags:
    França, quebra-gelo, Rússia, EUA, conflito, Ártico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar