23:54 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    8360
    Nos siga no

    História falando, os EUA sempre puderam travar batalhas a partir de esconderijos. Assim ocorreu nas guerras do Afeganistão, Iraque, Líbia e Sérvia.

    Em cada uma dessas guerras, os EUA atacaram seus inimigos através de "santuários" considerados invulneráveis, utilizando suas bases tanto em solo norte-americano quanto nas fronteiras do inimigo, que proporcionaram a oportunidade de iniciar suas guerras-relâmpago sem sofrer as consequências.

    Contudo, as novas tecnologias desenvolvidas por outras potências podem acabar com esse "luxo" norte-americano, já que eles poderiam realizar ataques precisos e devastadores contra as bases militares e logísticas norte-americanas, tanto nos EUA quanto em outras regiões do mundo.

    Um exemplo de tecnologia são os mísseis hipersônicos, que combinam velocidade e alcance com capacidade de manobra e precisão. Além disso, há os drones aéreos e submarinos intercontinentais, segundo o portal Foreign Policy.

    Veículos militares do Exército dos EUA cruzam a fronteira polonesa em Alszyna, na Polônia
    © AP Photo / Czarek Sokolowski
    Veículos militares do Exército dos EUA cruzam a fronteira polonesa em Alszyna, na Polônia

    Ou seja, essas e outras tecnologias podem tornar a estratégia dos EUA totalmente obsoletas, comprometendo o modo de guerra dos norte-americanos. Isso porque antes era quase impossível atingir os "santuários" dos EUA, porém hoje, com mísseis e drones de longo alcance e a elevação do poder de fogo de outras potências, essa dificuldade já não existe mais, já que outros países podem simplesmente destruir bases e plataformas dos EUA, cortando a comunicação e depósitos de combustíveis e munições.

    Outro fator que deve ser considerado é que os militares norte-americanos não estão preparados para responder a quaisquer ataques, pois sempre se concentraram no modo de guerra "confortável" dos EUA.

    Além disso, a logística dos EUA conta com embarcações a vapor desarmadas, que devem ser retiradas daqui a 15 anos e navios de guerra e submarinos que não podem ser recarregados no mar, tendo que se deslocar entre o campo de combate e portos de aliados ou do país.

    Militares dos EUA na Lituânia (foto de arquivo)
    © AFP 2020 / PETRAS MALUKAS
    Militares dos EUA na Lituânia (foto de arquivo)

    As recentes vulnerabilidades, apresentadas pelo Pentágono e combinadas com as novas tecnologias e crescimento de outras potências, deixam os EUA em um grande dilema.

    Ou seja, os EUA estão pagando o preço da acomodação e de se superestimar, mantendo suas estratégias de utilizar bases aliadas como esconderijos para surpreenderem os inimigos e se esconderem, enquanto que outras potências elevavam seus poderios militares, desenvolviam novas tecnologias e se fortaleciam com um gasto menor.

    Mais:

    'Uma grande comédia', diz tenente-coronel dos EUA convidado para ser ministro da Defesa da Ucrânia
    Entomólogo dos EUA acredita ter identificado fósseis de insetos em Marte (FOTO)
    EUA terão maior presença militar na Europa em 25 anos, diz OTAN
    Tags:
    tecnologias hipersônicas, tecnologias nucleares, novas tecnologias, tecnologias, bases militares, guerra, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar