10:39 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Submarino norte-americano Virginia SSN 774, Connecticut, EUA (foto de arquivo)

    Venda de submarinos dos EUA à Austrália não deve tirar o sono de Rússia e China, diz analista

    © AFP 2019 / US NAVY
    Defesa
    URL curta
    11324
    Nos siga no

    A revista norte-americana The National Interest classificou a venda de submarinos nucleares norte-americanos para aliados como o "pior pesadelo" de Rússia e China. Analista explica à Sputnik quais as consequências desta decisão para o equilíbrio estratégico no Pacífico.

    A venda ou transferência de alguns submarinos nucleares norte-americanos da classe "Virgínia" para a Austrália teria como objetivo fortalecer a posição dos EUA e aliados no oceano Pacífico, assim como contestar a presença chinesa na região, reportou a publicação.

    Em entrevista à Sputnik, o capitão-de-mar-e-guerra Vassili Dandykin, membro do conselho de especialistas da organização social Oficiais da Rússia (Ofitsery Rossii), explicou que a posse desses submarinos nucleares pela a Austrália não confere aos EUA nenhuma vantagem estratégica em relação à Rússia ou China. Em contrapartida, a presença desses submarinos pode romper o equilíbrio de poder mundial.

    "A Austrália não é uma potência nuclear [...] mas a posse de submarinos nucleares é uma questão muito séria, é uma ruptura no equilíbrio de forças", disse Dandykin.

    O analista lembrou que há um número reduzido de potências nucleares no mundo: Rússia, França, China, Reino Unido e China são potências nucleares com status reconhecido pelos principais tratados internacionais, enquanto Índia, Paquistão e Israel são potências nucleares de facto.

    "Imaginemos que um país como o Qatar, ou mesmo a Arábia Saudita, queira um dia ter essas armas. Isso seria bastante perigoso, porque trata-se de um tipo totalmente diferente de armamento", completou.

    Apesar disso, Dandykin reiterou que, mesmo assim, a Austrália não obtêm nenhuma vantagem estratégica em relação à China ou Rússia, uma vez que os submarinos nucleares norte-americanos já são capazes de patrulhar o oceano Pacífico. O que muda, nesse caso, é somente a bandeira da embarcação, acredita o especialista.

    Além disso, o interesse dos EUA em vender os submarinos pode estar relacionado ao atual processo de modernização da frota submarina da potência norte-americana.   

    Submarinos Nucleares

    Atualmente, nenhum país não nuclearmente armado possui submarinos nucleares. A posse desses submarinos podem oferecer risco de proliferação nuclear, uma vez que o combustível dos submarinos contém urânio enriquecido.

    Submarino Riachuelo, o primeiro do programa que prevê a conclusão do primeiro submarino nuclear brasileiro
    © Foto / Divulgação / Marinha do Brasil
    Submarino Riachuelo, o primeiro do programa que prevê a conclusão do primeiro submarino nuclear brasileiro

    O Brasil está na corrida para ser o primeiro país não nuclearmente armado a possuir um submarino nuclear. Em 2010, Brasil e França assinaram acordo de transferência de tecnologia para que o Brasil construa seu primeiro submarino nuclear.O submarino está em construção nas instalações da Marinha brasileira, no Estado do Rio de janeiro. No entanto, cortes regulares no orçamento das obras atrasam o cronograma da entrega do armamento. 

    Mais:

    Submarino nuclear russo atinge navio com míssil de cruzeiro (VÍDEO)
    Sucessos e desastres: a história dos primeiros submarinos nucleares do mundo
    Construtora da Marinha dos EUA teria falsificado testes de submarinos nucleares
    Britânicos reagem ao lançamento do míssil Bulava a partir de novo submarino nuclear russo
    Tags:
    China, Rússia, submarino nuclear, Austrália, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar