11:34 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Cartuchos 5.56×45mm (imagem referencial)

    Exército dos EUA quer nova munição para fazer frente a Rússia e China

    CC BY-SA 2.5 / TKN / 5.56 x 45 mm NATO
    Defesa
    URL curta
    9715
    Nos siga no

    Após décadas usando balas de 5,5 milímetros, o Exército dos Estados Unidos decidiu pela fabricação de uma nova munição de 6,8 milímetros para capacitar suas forças a combater a Rússia e China.

    Desde a década de 60 que os Estados Unidos têm equipado suas tropas com balas de 5,5 milímetros para seus fuzis.

    Segundo informou o site Popular Mechanics, as balas de calibre 5,5 mm dos EUA eram mais leves que munições análogas na época.

    No entanto, com a evolução das blindagens de veículos e o uso de equipamentos individuais de proteção por tropas de países como a Rússia e a China, as necessidades dos militares americanos se tornaram outras.

    "A nova bala é parte de uma mudança geral em relação às grandes potências militares, onde o combate contra adversários como a China e a Rússia levaria nossos soldados a lutar com inimigos munidos das mais modernas proteções pessoais", escreveu Kyle Mikzokami, especialista em área militar e autor do artigo da Popular Mechanics.

    Desta forma, os militares americanos consideram as antigas balas obsoletas, tendo se decidido por balas de calibre 6,8 milímetros para poderem fazer frente a Rússia e China.

    A bala a ser desenvolvida deve ser semelhante ao modelo M8551. No entanto, esta possui pouca eficiência em penetrar equipamentos de proteção individual se disparada a curta distância.

    Ainda segundo o artigo, os militares americanos deverão receber suas primeiras munições de calibre 6,8 milímetros a partir de 2023.

    Mais:

    Míssil Granit é eleito melhor arma russa contra porta-aviões dos EUA, por mídia chinesa
    EUA querem aumentar presença militar no Indo-Pacífico
    Autoridades dos EUA ponderam ataques à Crimeia e Extremo Oriente russo, segundo revista americana
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar