06:14 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Demonstração do sistema de mísseis Topol-M no polígono de Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia

    Mídia chinesa indica fator-chave que impede EUA de atacarem Rússia

    © Sputnik / Ilya Pitalev
    Defesa
    URL curta
    131072
    Nos siga no

    Os EUA não possuem planos para atacar a Rússia por causa das forças nucleares estratégicas de Moscou, de acordo com a mídia chinesa.

    "No mundo de hoje, se um país possui forças nucleares estratégicas, é considerado uma hegemonia e, portanto, também é chamado de 'segredo da paz'", escreve a edição Sohu.

    O autor do artigo relata que, apesar do colapso da União Soviética e da grande redução do orçamento de defesa, Washington ainda teme Moscou.

    Segundo ele, as forças nucleares estratégicas da Rússia ainda estão em alerta máximo, o que "faz com que os americanos mantenham sua pólvora seca".

    Em 1991, a Rússia ficou com 70% das forças nucleares estratégicas da antiga União Soviética, pelo que sempre teve meios terrestres, marítimos e aéreos para ataques estratégicos, recorda a publicação.

    Tríade nuclear da Rússia

    "A Rússia é o único país do mundo, exceto os EUA, que possuem tais capacidades", diz o artigo, adicionando que o papel principal na "tríade nuclear" russa é desempenhado pelos mísseis terrestres, que estão em alerta constante desde a Guerra Fria.

    O artigo destaca que a decisão de Washington de se retirar do acordo de desarmamento nuclear, incluindo o tratado mais importante sobre a eliminação de mísseis de médio e curto alcance, colocou forte pressão estratégica sobre a Rússia.

    No entanto, com o exercício militar russo Grom 2019, realizado de 15 a 17 de outubro, Moscou deixou claro ao mundo que a sua segurança será garantida por forças nucleares estratégicas nos próximos anos. A manobra, de natureza puramente defensiva, envolveu cerca de 12.000 militares, além de 213 lançadores de mísseis estratégicos, 105 aeronaves, incluindo cinco porta-mísseis estratégicos, até 15 navios de superfície, cinco submarinos e 310 unidades militares e equipamentos especiais.

    "O Exército russo pode melhorar os seus pontos fortes, principalmente as suas forças nucleares estratégicas, e assegurar a fiabilidade de um ataque de retaliação. Assim, nas próximas décadas, os EUA não ousarão sequer olhar para a Rússia", conclui.

    Lançamento do míssil balístico Topol-M do cosmódromo de Plesetsk, Rússia, 30 de setembro de 2019
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Lançamento do míssil balístico Topol-M do cosmódromo de Plesetsk, Rússia, 30 de setembro de 2019

    Washington anunciou a sua retirada unilateral do Tratado INF no início deste ano, acusando Moscou de violação de longa data do acordo. A Rússia nega todas as acusações. No início de julho, o presidente russo Vladimir Putin assinou uma lei que suspendeu o tratado, tendo o documento deixado de estar em vigor em 2 de agosto.

    Mais:

    Caça russo intercepta bombardeiro dos EUA perto da fronteira na região do mar Negro
    Marinha da Rússia escolta destróier dos EUA que entrou no mar Negro
    Como a Rússia pode responder à saída dos EUA do Tratado INF? Analista explica
    Tags:
    Tratado INF, tríade nuclear, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar