15:44 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Artilharia autopropulsada 2S7M Malka

    Rússia moderniza canhão que pode disparar munição nuclear

    © Sputnik / Kirill Kallinikov
    Defesa
    URL curta
    2340
    Nos siga no

    A empresa russa da indústria de defesa Uraltransmash completou a modernização da peça de artilharia autopropulsada Malka e do morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan.

    No Malka, armado com um canhão de 203 mm, foi trocada a caixa de câmbio, assim como os mecanismos de distribuição e os componentes do seu sistema elétrico.

    Além do mais, o sistema de comunicação interna, de recebimento e processamento de dados, rádio, defesa nuclear e equipamentos de visualização foram renovados.

    Já o morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan recebeu novos sistemas de comunicação, permitindo a unidade atuar em um sistema unido de esquadrão tático. Também foram instalados equipamentos de visualização, rádio e armamentos modernos.

    Morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan
    © Sputnik / Valery Melnikov
    Morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan

    Os primeiros 2S4 Tyulpan de 240 mm autopropulsados já foram entregues às Tropas Terrestres.

    Armamento antigo

    O 2S7M Malka é a versão modernizada do veículo de artilharia 2S7 Pion, criado ainda nos anos de 1980. Apesar da idade, o armamento é considerado um dos canhões mais potentes do mundo.

    O armamento foi projetado para destruir alvos por trás das linhas de defesa inimigas, bem além da linha da frente.

    O canhão pode disparar munições reativas e projéteis incendiários e de fragmentação.

    No entanto, a principal vantagem deste armamento é a possibilidade de disparar munições antibunker, químicas e até mesmo nucleares.

    Mais:

    Exército da Rússia recebe tanques T-90M modernizados
    Conheça Griffin II, o futuro tanque leve a serviço do Exército dos EUA (FOTO)
    Rússia está modernizando canhão do tanque T-14 Armata
    Tags:
    modernização, Exército da Rússia, artilharia, 2S4 Tyulpan, 2S7 Pion
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar