18:31 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Navios de Suécia (imagem referencial)

    Suécia reinaugura gigantesca base subterrânea por temer 'armas russas' (VÍDEO)

    © CC0
    Defesa
    URL curta
    81222
    Nos siga no

    Após 15 anos de desuso, a Base Naval de Musko, que fica a 70 km de Estocolmo, volta a fazer parte das Forças Armadas suecas, escreve o jornal Svenska Dagbladet.

    O regresso triunfal da Marinha sueca à fortaleza da era da Guerra Fria se enquadra no padrão de militarização em curso no país, caracterizado pelo investimento crescente na Defesa e pela retórica amedrontadora.

    Na segunda-feira (1º), a cerimônia de reinauguração da base foi realizada com banda e desfile da Marinha, 50 anos depois da inauguração original da Base Naval de Musko, em 1969.

    ​O ministro da Defesa sueco, Peter Hultqvist, classificou o retorno da base da Marinha como um sinal da política de segurança.

    "É provavelmente a maior base subterrânea do mundo. Aqui temos um recurso muito importante e único que podemos desenvolver de diferentes formas", explicou Hultqvist, enquanto discursava na reinauguração.

    Inicialmente, 100 militares serão realocados à Base Naval de Musko, que foi desativada em 2004; o estaleiro da base foi vendido ao grupo industrial alemão ThyssenKrupp.

    Reduzir vulnerabilidade?

    O comandante da Marinha, contra-almirante Jens Nykvis Nykvist, declarou que "o objetivo é incrementar segurança dentro da montanha, que é uma instalação impressionante e recomendável de se usar".

    "É importante, é uma coisa importante para nós. Trata-se de uma grande vantagem não se misturar com zona urbana", ressaltou Nykvist, sugerindo que o plano de descentralização "reduz a vulnerabilidade" e "aumenta as possibilidades táticas".

    O plano de reabertura da base foi montado pelo Parlamento da Suécia há cerca de um ano. Além da mudança da Marinha para Musko, tropas do Exército sueco serão instaladas em Enkoping e da Força Aérea em Uppsala. A instalação de tropas militares suecas em posições diferentes foi descrito como "disseminação da gestão".

    Outros especialistas, no entanto, foram mais específicos quanto à necessidade de revitalizar a fortaleza subterrânea.

    "O movimento é baseado no cálculo de que os russos poderiam usar armas poderosas que exigem um nível de proteção que só Musko pode fornecer", deduziu Niklas Granholm, analista sênior da Agência Sueca de Pesquisa em Defesa, conforme citado pelo The Guardian.

    'Ameaça russa'

    Vale destacar que a fantasiosa "ameaça russa" se tornou um pilar nos veículos de comunicação suecos. O próprio ministro da Defesa, Peter Hultqvist, e outras autoridades suecas apontaram para Rússia como justificativa para investir mais e mais dinheiro na Defesa do país.

    Embora Musko tenha deixado de desempenhar papel central na Defesa sueca há décadas, a Marinha da Suécia nunca deixou a ilha. No ano passado, turistas britânicos e belgas tentaram se infiltrar na base, mas foram atingidos por tiros de aviso antes de serem finalmente detidos.

    Não há nada mais da Guerra Fria do que isso. A Suécia construiu uma enorme base naval subterrânea em Musko nos anos 50. Puro James Bond e partes ainda hoje continuam em uso. Se você sofre para estacionar um carro, como eu, é assustador pensar em manobrar navios de guerra através desses arcos

    O novo comissionamento da Base Naval de Musko se enquadra no padrão de militarização em curso na Suécia, que já aumentou drasticamente orçamento da Defesa, já voltou a recrutar militares e a posicionar militares na Gotlândia, previamente identificada como provável ponto de entrada de ataque.

    Para acalmar população sueca, foram entregues centenas de milhares de panfletos explicando como sobreviver a um ataque nuclear.

    Mais:

    Comandante da Força Aérea sueca rotula Gripen E de 'assassino' de caças russos
    Caça Gripen E da FAB voa pela 1ª vez na Suécia (VÍDEO)
    Caso Catalina: por que MiG-15 da Força Aérea da URSS derrubou avião sueco?
    Tags:
    Rússia, Marinha, militar, base, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar