15:17 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Fuzil AK-74M passando por teste de disparo na exposição Exército 2015 em Kubinka, na Rússia

    Kalashnikov submete fuzil a 'teste extremo' e mostra série de disparos em VÍDEO

    © Sputnik / Aleksandr Vilf
    Defesa
    URL curta
    8341
    Nos siga no

    O consórcio estatal Kalashnikov, principal fabricante de armas ligeiras da Rússia, realizou "um teste extremo" para mostrar quantos tiros o seu fuzil de assalto AK-74M pode disparar sem parar.

    Para determinar o número de disparos seguidos que a arma pode fazer sem sofrer nenhum dano, os especialistas da empresa utilizaram uma AK-74M, produzida em 2014, com 26 carregadores com 30 balas cada.

    De acordo com a as exigências do Ministério da Defesa russo, o AK-74M deve ser capaz de fazer pelo menos 180 disparos consecutivos em um modo totalmente automático sem interrupções, ressalta o consórcio russo.

    Um dos testes mais difíceis para as armas de fogo são as longas séries de tiros, já que algumas de suas partes podem aquecer até temperaturas extremas se não tiverem tempo para esfriar.

    Durante a experiência, a arma foi capaz de disparar 587 tiros seguidos. Só depois disso apareceu uma rachadura no seu cano.

    Como explicou o engenheiro, as partes plásticas, embora fundidas, não se deformaram. Mais tarde, depois de a arma arrefecer, reparou-se que havia danos irreparáveis apenas no compensador de gás e que a bala tinha encravado.

    Embora os danos tenham sido consideráveis, o especialista da empresa observa que este teste excede em muito as exigências impostas a esta arma, razão pela qual não falhará em combate, e que o teste só pode ser realizado com o equipamento de proteção necessário e em locais apropriados.

    Mais:

    Kalashnikov apresenta novo fuzil de assalto silencioso para forças especiais (FOTO)
    Kalashnikov cria novíssima versão da arma radioeletrônica contra drones
    NI qualifica metralhadora Kalashnikov como a melhor do mundo
    Tags:
    fuzil de assalto, AK-74M, Kalashnikov
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar