11:41 05 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Helicóptero SH-60F Seahawk, exercícios navais

    Marinha da Dinamarca compra equipamento estadunidense para rastrear submarinos russos

    © flickr.com / Commander, US 7th Fleet
    Defesa
    URL curta
    10610
    Nos siga no

    As Forças Armadas da Dinamarca reforçaram a sua capacidade da detecção de submarinos com um sistema norte-americano avançado de sonares, um negócio estimado em US $190 milhões.

    Segundo o comandante da Marinha da Dinamarca, esta aquisição vai colocar o seu país em "outra liga".

    A nova tecnologia é composta por 9 sonares, que irão equipar os novos helicópteros militares Seahawk. Os sonares podem também ser submergidos no mar para dar uma visão pormenorizada da situação abaixo da superfície.

    Além dos sonares, a capacidade militar antissubmarino da Dinamarca será também reforçada por 600 sonares boias que serão colocados em uma área vasta do oceano.

    "Isto faz parte do que a OTAN nos pediu que melhorássemos. Portanto, não há dúvida de que estaremos noutra liga depois de isto ser implementado", disse o almirante Torben Mikkelsen, comandante da Marinha dinamarquesa, à rádio nacional.

    Segundo Mikkelsen, os sonares vão aumentar o papel da Dinamarca nos esforços da OTAN de monitorização das operações realizadas por submarinos russos no mar Báltico, em volta da Groenlândia e das Ilhas Faroe, e também no Ártico.

    Anders Puck Nielsen, analista militar da Academia da Defesa da Dinamarca, disse que os novos sonares são um reforço significativo para a Defesa dinamarquesa. Segundo ele, a questão é saber se a Dinamarca é capaz de se juntar às operações dos EUA, do Reino Unido e da França, na vasta área entre a Groenlândia, a Islândia e o Reino Unido.

    O ministro da Defesa, o social-democrata Trine Bramsen, saudou a aquisição, explicando que isso reforçaria as capacidades militares da Dinamarca no Atlântico Norte.

    Dinamarca e OTAN

    No fim de agosto, a Dinamarca decidiu reposicionar quatro caças F-16 para "ajudar a manter a soberania aeroespacial" na região do Báltico, algo que o ministro das Relações Exteriores, Jeppe Kofod, chamou de "sinal claro de solidariedade da OTAN".

    F-16 (imagem referencial)
    © AP Photo / Giannis Papanikos / F-16
    F-16 (imagem referencial)

    Quatro F-16 dinamarqueses e uma tripulação de cerca de 60 homens serão enviados para o Báltico durante três meses, no âmbito da missão de patrulhamento aéreo da OTAN no Báltico. Os países bálticos não podem patrulhar o seu próprio espaço aéreo porque não possuem aviões de combate.

    Recentemente, os EUA acusaram a Dinamarca de não alocar suficientes meios financeiros para a defesa. Segundo o embaixador estadunidense no país, apesar de a Dinamarca ter decidido aumentar seu orçamento militar para 1,5% do PIB até 2023, isso está longe do acordo da OTAN de 2014, que estabeleceu o nível de 2% do PIB.

    Mais:

    Novo projeto do Pentágono: quem os EUA estão planejando combater debaixo da terra?
    Novo submarino nuclear se juntará em breve à Frota do Pacífico da Marinha russa
    Marinha dos EUA sofre com falta de porta-aviões no Atlântico
    Tags:
    sonar, defesa, OTAN, EUA, Dinamarca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar