03:07 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Destruição de mísseis de curto alcance no âmbito do Tratado INF com os EUA (foto de arquivo)

    EUA estão interessados em desenvolver mísseis hipersônicos após saída do acordo INF

    © Sputnik / Yuri Kuydin
    Defesa
    URL curta
    536
    Nos siga no

    O secretário do Exército dos Estados Unidos, Ryan D. McCarthy, declarou ontem (20) que, em consequência da retirada dos EUA do tratado INF, Washington está buscando desenvolver mísseis hipersônicos com ogivas balísticas.

    Ryan McCarthy, que falava na Fundação para a Defesa das Democracias em Washington DC, comentou os esforços de modernização e prontidão do Exército dos EUA.

    "No que diz respeito sobretudo ao alcance dos [mísseis do] INF, estamos vendo onde poderemos em primeiro encontrar oportunidades, claramente, hipersônicas, se você colocar uma ogiva balística em um míssil hipersônico", disse o secretário do Exército do EUA.

    O Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), assinado entre os Estados Unidos e a União Soviética, restringia o desenvolvimento, produção e implantação de mísseis terrestres que tivessem alcance entre 500 e 5.500 quilômetros .

    Militares testam míssil anteriormente proibido pelo INF

    O Departamento de Defesa dos EUA anunciou ter realizado este domingo (18) um teste de um míssil de cruzeiro antes proibido pelo Tratado INF, tendo este alcançado o alvo com sucesso depois de voar mais de 500 quilômetros.

    O tratado INF deixou de estar formalmente em vigor no início deste mês, após em outubro de 2018 Washington ter anunciado a sua retirada do convênio. Em julho de 2019, o presidente russo Vladimir Putin suspendeu oficialmente a participação da Rússia no tratado.

    Mais:

    China pode tomar 'contramedidas' em possível implantação de mísseis dos EUA na Ásia
    Trump: EUA e Rússia celebrarão acordo nuclear em algum momento
    Tags:
    Pentágono, Tratado INF, míssil hipersônico, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar