22:11 15 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Navio de patrulha Smetlivy da Frota do Mar Negro

    Marinha da Rússia refuta afirmação sobre navio russo ter entrado na área de manobras ucranianas

    © Sputnik / Vasiliy Batanov
    Defesa
    URL curta
    461

    A Frota do Mar Negro da Rússia refutou na quarta-feira (10) a afirmação da Ucrânia de que o navio de patrulha russo Smetlivy teria entrado ilegalmente na área fechada onde estão sendo realizados os exercícios internacionais Sea Breeze 2019.

    "A afirmação da Marinha ucraniana de que o navio de patrulha Smetlivy da Frota do Mar Negro teria supostamente entrado em uma zona fechada, onde estão sendo realizados os exercícios Sea Breeze 2019, não é verdadeira", disse a Frota do Mar Negro em comunicado.

    A Frota do Mar Negro acrescentou que o Smetlivy estava controlando as atividades dos navios da OTAN a fim de ser capaz de responder prontamente se surgissem situações que colocassem em risco a navegação civil.

    "O Smetlivy atua em estrita conformidade com o direito internacional", acrescentou a Frota do Mar Negro.

    O serviço de imprensa da Marinha da Ucrânia tinha dito no início do dia que o navio russo teria atravessado ilegalmente o limite de uma área do mar Negro que foi fechada à navegação devido à realização do exercício naval da OTAN em curso.

    Exercícios Sea Breeze 2019

    O exercício Sea Breeze, que começou em 1º de julho, é conduzido pela OTAN e por vários aliados, incluindo a Ucrânia e a Geórgia, na região noroeste do mar Negro e terminará a 12 de julho. Participam das manobras cerca de 30 navios, 30 aeronaves e mais de 900 militares. A Marinha russa iniciou os seus próprios exercícios programados no mar Negro.

    Mais:

    Navios da Marinha russa chegam à costa de Cuba
    Sistema russo que protege Crimeia é um 'assassino de navios', afirma jornal dos EUA
    Navio militar russo vigia destróier da Marinha dos EUA no mar Negro
    Tags:
    exercícios, navio, Rússia, Mar Negro, Ucrânia, Manobras
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar