09:46 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    F-35 a bordo de um porta-aviões (imagem referencial)

    Qual seria destino dos F-35 com possível chegada dos caças britânicos de 6ª geração?

    Marinha dos EUA, foto tirada por Bernadette Wildes
    Defesa
    URL curta
    110
    Nos siga no

    A União Europeia está se esforçando por desenvolver aeronaves de sexta geração, mas a Grã-Bretanha já avançou bastante em seu próprio projeto destes aviões.

    O projeto franco-alemão FCAS (Future Combat Air System) de desenvolvimento de um caça avançado continua em andamento. O consórcio aeronáutico europeu Airbus, cuja sede se encontra na França, revelou que o primeiro voo do avião FCAS deve ser realizado em 2040.

    Quando a Grã-Bretanha anunciou pela primeira vez o seu caça de sexta geração, especulou-se que o projeto europeu FCAS poderia ser incluído no programa britânico Tempest com a Airbus como parceiro. Mas a decisão de Londres de abandonar a UE pôs em questão a cooperação militar entre os dois países. Dessa forma, o Tempest é um projecto totalmente diferente do caça FCAS. Isto é muito irritante para a UE, que agora mesmo está emergindo como um importante player no mercado de hardware militar, como disse o presidente francês Emmanuel Macron: "A competição entre europeus, quando nos enfraquece frente aos americanos e chineses, é ridícula".

    F-35A Lightning II sendo abastecido por um KC-135 Stratotanker, 12 de maio de 2019
    F-35A Lightning II sendo abastecido por um KC-135 Stratotanker, 12 de maio de 2019

    O caça Tempest faz parte de um programa de modernização militar abrangente, com o objetivo de manter as capacidades militares britânicas nas próximas décadas. Além disso, o novo caça tem operação prevista para 2030 e contará com uma série de recursos de sexta geração, como inteligência artificial, sistema de propulsão adaptativo, capacete com cockpit virtual, além de versões tripuladas e não tripuladas.

    O conceito da aeronave possui um design furtivo, sem estabilizadores horizontais ou canards, lembrando o caça norte-americano F-22 Raptor, segundo a revista The National Interest.

    Para o analista militar Justin Bronk, o caça Tempest prioriza a "agilidade", velocidade e outras áreas de desempenho cinemático devido às suas capacidades furtivas.

    Com isso, os britânicos buscam alcançar a superioridade aérea e complementar os caças norte-americanos F-35 com uma aeronave de sexta geração, que é o caso do Tempest.

    Caça F-35
    Caça F-35

    Para o sucesso do projeto, a Grã-Bretanha deverá buscar por financiamentos externos, já que as atuais disputas políticas entre os europeus atrapalham consideravelmente os países envolvidos, além de enfraquecê-los frente aos norte-americanos.

    Ou seja, sem um financiamento externo, o Tempest jamais poderá ser produzido em grande quantidade. Em um sinal encorajador para a Grã-Bretanha, vários fabricantes de armas europeus manifestaram a sua vontade de participar dos projectos Tempest e FCAS. Da mesma forma, a empresa de defesa italiana Leonardo S.p.A. assinou um acordo para o desenvolvimento do Tempest. No entanto, o projeto Tempest precisará de muito mais parceiros de alto nível para se manter financeiramente solvente nas próximas décadas.

    Mais:

    Caça F-35 furtivo realiza voo histórico sobre Casa Branca (VÍDEO, FOTO)
    Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei
    Nova modernização do caça norte-americano F-35 o tornaria em avião de 6ª geração?
    Tags:
    avião de assalto, avião de combate, avião de ataque, avião
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar