13:09 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Caça russo Su-35

    Ministério da Defesa da Rússia comenta intercepção do jato dos EUA sobre Mediterrâneo

    © Sputnik / Artyom Zhitenev
    Defesa
    URL curta
    7240
    Nos siga no

    O Ministério da Defesa da Rússia desmentiu a comunicação da 6ª Frota dos EUA sobre a intercepção "insegura" por um caça russo do avião de reconhecimento norte-americano sobre o mar Mediterrâneo.

    De acordo com os representantes do ministério, em 4 de junho, às 06h30 de Brasília, o sistema de defesa antiaérea da base aérea russa de Hmeymim, na Síria, identificou um alvo aéreo que se aproximava da base naval russa em Tartus.

    Devido a esse fato, um caça Su-35 levantou voo para efetuar a identificação do alvo. A tripulação estabeleceu que se tratava de um jato de reconhecimento americano Poseidon P-8A, comunicou o Ministério da Defesa.

    "Após a aeronave americana ter mudado sua trajetória, o caça russo voltou à base", destacou o Ministério.

    Mais tarde, segundo os dados do Ministério da Defesa, às 9h41 de Brasília o avião de reconhecimento Poseidon P-8A se aproximou da base russa de Tartus e o caça Su-35 foi novamente enviado para o interceptar. O caça russo acompanhou o jato americano até ele ter mudado a trajetória do voo.

    O Ministério da Defesa declarou que todos os voos se realizaram em conformidade com as regras internacionais de uso do espaço aéreo. Além disso, o comando dos EUA não enviou qualquer comunicação à parte da Rússia.

    Anteriormente, o serviço de imprensa da 6ª Frota dos EUA comunicou que em 4 de junho um caça russo Su-35 interceptou por três vezes um avião de reconhecimento Poseidon P-8A dos EUA sobre o mar Mediterrâneo.

    Mais:

    Explosões são ouvidas em base militar síria
    Bombardeiros chineses são interceptados nas proximidades do Japão
    Espanha afirma ter 'interceptado' jatos da Rússia no mar Báltico
    Tags:
    Ministério da Defesa, P-8A Poseidon, base aérea, Su-35, EUA, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar