10:15 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Porta-aviões USS Nimitz Harry S. Truman

    Segunda Frota dos EUA 'ressuscitada' está de volta e se focaliza no Ártico e Rússia

    © AP Photo / Fabrizio Bensch/Pool
    Defesa
    URL curta
    1029

    Dissolvida em 2011 e devolvida ao serviço no ano passado, a Segunda Frota da Marinha estadunidense já alcançou a capacidade operacional necessária e está pronta para defender os interesses nacionais dos EUA.

    A Marinha dos EUA anunciou esta semana que a Segunda Frota, dissolvida em 2011 e "ressuscitada" no ano passado, atingiu a capacidade operacional inicial e participará no próximo mês de manobras da OTAN de grande escala perto das fronteiras da Rússia.

    A frota, liderada pelo vice-almirante Andrew Lewis, se concentrará nas operações no oceano Atlântico, com ênfase no Atlântico Norte e nas águas da região do Ártico, cada vez mais cobiçadas pelos americanos.

    "O Atlântico Norte tem algumas das rotas marítimas mais movimentadas do mundo, e com a abertura de vias navegáveis no Ártico, esse tráfego só vai crescer", declarou o vice-almirante, anunciando a prontidão operacional da frota.

    "Este é um fato reconhecido tanto por nossos aliados como por nossos rivais", sublinhou, acrescentando que "é de vital importância" que a Segunda Frota "revitalize" o modo como as forças dos EUA "estão envolvidos neste cenário influente".

    Contrariar a Rússia e a China

    O alto militar americano também admitiu que as aspirações da China, e especialmente da Rússia, contribuíram para o renascimento da Segunda Frota, relata o USNI News, portal do Instituto Naval dos EUA. Em particular, ele apontou para o poderio submarino russo, observando que "no sector marítimo, [os russos] são operadores submarinos competentes".

    Quanto às aspirações da frota no Ártico, o vice-almirante reconheceu que não há "um espaço competitivo agora", mas sublinhou que "se aproxima" esse ponto, de modo que a meta americana é poder "operar aí de forma profissional e segura".

    OTAN demonstra força

    Para marcar seu retorno, a Segunda Frota está programada para comandar as manobras navais Baltops previstas para o próximo mês. No total, 18 países participarão destes exercícios anuais da OTAN, que Lewis classificou como uma "demonstração de força de forma inequívoca na região do Báltico" que irá mostrar a capacidade da Aliança Atlântica para "dissuadir agressões e projetar estabilidade".

    Anteriormente, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia, Valery Gerasimov, apelou à OTAN para pôr termo à sua atividade perto das fronteiras russas e diminuir a tensão. Entretanto, Bruxelas, em resposta, fez referência a um documento, colocado no site da OTAN, intitulado "5 principais mitos da Rússia sobre a OTAN", em que a aliança esclarece o deslocamento de suas forças para perto das fronteiras da Rússia.

    Mais:

    1ª vez em 10 anos: porta-aviões Theodore Roosevelt da Frota do Pacífico treina no Alasca
    Marinha dos EUA recebeu ordens para 'esconder' destróier americano de Trump, reporta mídia
    Pilotos da Marinha dos EUA relatam que OVNIs estão por toda parte
    Avião da Marinha alemã realizou voo de reconhecimento na fronteira ocidental da Rússia
    Tags:
    interesse nacional, manobras navais, OTAN, Marinha, Segunda Frota dos EUA, Ártico, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar