20:03 15 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Militares do Exército dos EUA ao lado do sistema Patriot na base aérea de Siauliai, na Lituânia (foto de arquivo)

    Saiba por que defesa antiaérea dos EUA é ineficaz contra mísseis russos e norte-coreanos

    © AP Photo / Mindaugas Kulbis
    Defesa
    URL curta
    11381
    Nos siga no

    O portal norte-americano Military Watch explica porque a defesa antiaérea dos EUA é incapaz de interceptar os mísseis russos Sarmat e Avangard, bem como o norte-coreano Hwasong-15.

    Os sistemas de defesa antiaérea que estão no serviço dos EUA foram elaborados para atingir mísseis inimigos na fase final da sua trajetória porque não conseguem alcançar a altitude necessária para interceptar mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) em outras etapas, avança o portal.

    Lançamento do famoso míssil Avangard, apresentado em 1º de março deste ano pelo presidente russo, Vladimir Putin
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Federação da Rússia
    O artigo também recorda que o voo do míssil norte-coreano Hwasong-12 sobre Japão em 2017, a 770 km de altura, não pôde ser interceptado nem pelas baterias de mísseis Patriot nem pelos sistemas Aegis implantados nos navios de guerra japoneses e estadunidenses.

    Mesmo o sistema de mísseis antibalísticos THAAD de maior alcance, atualmente implantado na Coreia do Sul e na ilha de Guam, tivesse sido implantado no Japão, não teria conseguido interceptar o míssil, assegura o portal.

    De acordo com o mesmo artigo, os EUA consideraram a possibilidade de interceptar mísseis na subida antes de alcançarem grandes altitudes, mas isto requereria que a Marinha dos EUA posicionasse navios de guerra equipados com Aegis em águas norte-coreanas e, para além disso, requereria um aviso prévio do lançamento, a localização e a trajetória exatas do ICBM.

    Mesmo assim, devido à velocidade dos mísseis em ascensão, a probabilidade de intercepção permanece próxima de zero, destaca o portal.

    Os testes dos sistemas THAAD, Patriot e Aegis foram simplificados, cuidadosamente encenados e projetados para o êxito, longe das condições realistas, salienta o artigo.

    A possibilidade de interceptar um míssil balístico norte-coreano de alcance intercontinental, como o Hwasong-14 ou o Hwasong-15, continua sendo baixa.

    Teste de míssil norte-coreano Hwasong-12 (foto de arquivo)
    © REUTERS / Agência Central de Notícias da Coreia do Norte (KCNA)
    Se fosse lançado um único míssil, e se tivesse sido fornecida de antemão toda a informação aos Estados Unidos para preparar sua defesa, e se a ogiva tivesse exatamente o aspecto que o Exército dos EUA esperasse, e se os norte-coreanos não tentassem enganar as defesas, é estimado que os EUA teriam 50% de possibilidades de interceptar o míssil, calcula o portal.

    Quanto aos mísseis hipersônicos russos como o Avangard, que em vez de caírem livremente do espaço dependendo da força de gravidade, descem à terra com uma velocidade 20 vezes superior à do som, as probabilidades de intercepção são quase nulas.

    Mais:

    EUA pretendem 'reanimar' estratégia de desdobramento repentino usada na Guerra Fria
    'Arma formidável': NI avalia capacidades do míssil hipersônico russo Tsirkon
    Tags:
    Coreia do Norte, Rússia, EUA, Hwasong-15, mísseis intercontinentais, Avangard, Patriot
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar