12:32 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Soldado dos EUA com fuzis de assalto AK-47 Kalashnikov (imagem referencial)

    Para fuzis, rifles e muito mais: Exército dos EUA está de olho em munição de produção russa

    CC BY 2.0 / North Carolina National Guard / 090817-A-8124P-084
    Defesa
    URL curta
    7428

    Os Estados Unidos tencionam adquirir munição não padronizada com a OTAN, mais especificamente de produção russa, escreve portal.

    Segundo o portal Defence Blog, o Comando de Contratação do Exército dos EUA (ACC, na sigla em inglês) publicou um aviso no site principal de contratação do governo norte-americano pedindo aos fornecedores para que prestem informação sobre sua habilidade de produzir e fornecer munição comercial não padronizada com a OTAN.

    Os EUA estão em busca de adquirir munição especial para rifles de assalto, pistolas, fuzis de precisão e metralhadoras de produção russa.

    ACC tenciona realizar uma pesquisa de mercado para identificar fontes tecnicamente e financeiramente capazes de fornecer várias opções de Munição Especial e Sistemas de Arma (SAWS, na sigla em inglês) e munição comercial não padronizada com a OTAN de todo o mundo para fornecimento aos Estados Unidos.

    De acordo com especificações gerais, o Exército dos EUA procura comprar munição de pequeno calibre para pistolas Makarov e Tokarev, rifles de assalto AK-47, metralhadoras PKM e YaKB/DshKM e fuzis de precisão SVD Dragunov, sendo todas as armas de produção russa.

    Além disso, a publicação menciona que o processo de aquisição deve ser efetuado em conformidade com as provisões de Concorrência Plena e Aberta (F&OC na sigla em inglês) para o período de ano fiscal 2021-2026.

    Mais:

    Revelado armamento russo de maior interesse para estrangeiros
    Como Finlândia 'moderniza' fuzil de assalto Kalashnikov (VÍDEO)
    Substituição do Kalashnikov? Rússia está elaborando novo fuzil de assalto
    Tags:
    pistola, fuzis, metralhadoras, armamento, Exército dos EUA, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar