19:39 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Desfile dos marinheiros no Dia da Marinha em Portugal

    Dia da Marinha em Portugal: de uma época próspera a um futuro desafiador na navegação (FOTOS, VÍDEO)

    © Sputnik / Caroline Ribeiro
    Defesa
    URL curta
    Por
    4103
    Nos siga no

    Em 20 de maio de 1498, o navegador português Vasco da Gama aportou em Calicute, abrindo oficialmente a rota para a Índia. Mais de cinco séculos depois, Portugal celebra, na data do feito histórico, o Dia da Marinha e trabalha para modernizar uma das instituições militares mais antigas do mundo.

    A história conta que foi em 1º de fevereiro de 1317 que a vocação dos portugueses para o mar foi oficializada. Nesta data, o então rei Dom Dinis outorgou o título de almirante ao navegador Manuel Pessanha. O documento, preservado até hoje no Arquivo Nacional, é considerado a certidão de nascimento da Marinha portuguesa, mas o pioneirismo vem de antes.

    "Portugal sofreu, ao longo da sua história, uma enorme pressão nas suas fronteiras terrestres, obrigando-o a procurar no mar, desde o século XII, as ligações com o exterior. Do mar chegavam os reforços militares dos Cruzados para auxiliar nas conquistas territoriais aos muçulmanos; pelo mar se expediam e recebiam mercadorias; no mar se obtinha parte substancial dos alimentos. O comércio com Flandres e Inglaterra iniciou-se ainda no século XII", conta à Sputnik Brasil o Comandante Rodrigues Pereira, capitão de mar e guerra aposentado que, hoje, se dedica à pesquisa sobre a história da Marinha.

    O domínio dos portugueses sobre os oceanos se consolidou na época das chamadas grandes navegações. "Com a expansão marítima dos séculos XV e XVI, Portugal virou-se definitivamente para o mar, criando impérios, sucessivamente, na Índia, no Brasil e na África", explica o pesquisador.

    As homenagens oficiais para a marinha começaram na década de 1950. "Nessa época, o ministério da Marinha englobava a marinha de guerra, a marinha de comércio e a marinha de pesca, além das atividades lúdicas. A partir de 1974 a data passou a ser festejada apenas pela marinha militar, face à extinção do ministério da Marinha e a passagem das outras marinhas para diferentes ministérios. Inicialmente a data era escolhida pelo ministro e variava todos os anos. Julgo que terá sido em 1969 que se fixou a data em 8 de Julho, data da partida de Vasco da Gama para a Índia, em 1497. Em 1998, no quinto centenário da chegada de Vasco da Gama a Calicute, a data passou a comemorar-se em 20 de maio, o dia da chegada dos portugueses àquela cidade", conta o comandante Rodrigues Pereira.

    Celebração e reaproximação

    O Dia da Marinha é celebrado todos os anos com programação oficial em uma cidade da zona costeira de Portugal, mas 2019 marca uma mudança na estratégia. Coimbra, na região central do país, foi a escolhida. As atividades, ao longo de uma semana, culminaram com o desfile dos militares na principal avenida da cidade, à margem do rio Mondego, o mais extenso de Portugal, neste domingo (19).

    • Banda da Armada se apresenta em prol do Dia da Marinha portuguesa
      Banda da Armada se apresenta em prol do Dia da Marinha portuguesa
      © Sputnik / Caroline Ribeiro
    • Desfile dos marinheiros no Dia da Marinha em Portugal
      Desfile dos marinheiros no Dia da Marinha em Portugal
      © Sputnik / Caroline Ribeiro
    • Ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, inspecionando tropas da Marinha portuguesa
      Ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, inspecionando tropas da Marinha portuguesa
      © Sputnik / Caroline Ribeiro
    • Chefe do Estado-Maior da Marinha portuguesa António Mendes Calado
      Chefe do Estado-Maior da Marinha portuguesa António Mendes Calado
      © Sputnik / Caroline Ribeiro
    • Demonstração da Marinha no rio Mondego
      Demonstração da Marinha no rio Mondego
      © Sputnik / Caroline Ribeiro
    • Desfile dos marinheiros no Dia da Marinha em Portugal
      Desfile dos marinheiros no Dia da Marinha em Portugal
      © Sputnik / Caroline Ribeiro
    1 / 6
    © Sputnik / Caroline Ribeiro
    Banda da Armada se apresenta em prol do Dia da Marinha portuguesa

    A decisão não foi por acaso. A Marinha portuguesa vem sofrendo com a baixa adesão ao recrutamento. O serviço militar em Portugal deixou de ser obrigatório há 15 anos. Um estudo do Ministério da Defesa, divulgado em abril deste ano, mostrou que de 2008 a 2018 houve redução de 59% no efetivo da instituição. Ir para o centro do país foi uma forma de chamar atenção de outra parte da população. "Não é um problema exclusivo de Portugal, é algo transversal na Europa. Em termos de recrutamento, estamos a inovar na forma como chegamos às pessoas", afirma à Sputnik Brasil o porta-voz da Marinha, comandante Fernando Pereira.

    Focando principalmente nos jovens, a marinha adotou uma postura mais informal para o recrutamento e comunicação externa. Aposta no uso de vídeos, redes sociais, e foca na reestruturação do plano de formação e carreira. "No pacote de formação, trabalhamos para que eles tenham equivalência no mundo civil, para que aqueles que porventura decidem abandonar a carreira militar saibam que têm um futuro no país. Outra forma é que essas pessoas também sejam mais facilmente integradas em organismos de Estado. Também criamos condições para que não se passe tanto tempo embarcado, e só conseguiremos isso recrutando mais, para ter mais pessoas para rodar e dar melhores condições de vida a quem abraça esta profissão", explica o porta-voz.

    Modernização

    A Marinha vai ser beneficiada com os recursos da nova Lei de Programação Militar, aprovada pelo parlamento português em novembro passado, que totaliza quase cinco bilhões de euros para a modernização das Forças Armadas do país. Ao longo dos próximos 12 anos, a Marinha vai adquirir "mais seis navios-patrulha oceânicos, um navio polivalente logístico. Temos todas as condições para, na próxima década, reforçar a nossa Marinha e reforçar os efetivos, que é o essencial", destacou o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, em entrevista ao final da solenidade em Coimbra.

    Ainda de acordo com o ministro, as atividades de pesquisa científica desenvolvidas pela Marinha também devem continuar recebendo recursos significativos. O Centro Meteorológico e Oceanográfico Naval, inclusive, teve a candidatura submetida para se tornar um Centro de Excelência da Organização do Tratado do Atlântico Norte – a OTAN.  "O projeto de Mapeamento do Mar Português, que se encontra em curso no âmbito do Instituto Hidrográfico, conta já com cerca de 39% do nosso mar territorial e 48% da nossa Zona Económica Exclusiva mapeados, e é um imperativo que a Defesa Nacional continuará a promover", afirmou o ministro João Gomes Cravinho.

    Atualmente, a Marinha portuguesa atua como responsável por ações de vigilância e de buscas e salvamentos marítimos em uma área que é "62 vezes o território de Portugal, é quase a Europa. Salvamos mais de 400 vidas por ano e percorremos mais de oito voltas ao mundo por ano", diz o porta-voz da instituição.

    Mais:

    Geólogos revelam possível razão por trás de terremotos mortíferos que abalaram Portugal
    Chanceler venezuelano acusa bancos de Portugal de receberem ordens dos EUA
    Frota do Pacífico da Marinha russa será equipada com mísseis de cruzeiro Kalibr
    Tags:
    marinheiros, celebrações, Marinha, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar