11:53 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Família de veículos Oshkosh JLTV

    Novos veículos blindados americanos mostram-se ineficazes para combate, diz portal

    © Foto: Oshkosh Defesa
    Defesa
    URL curta
    3110

    Especialistas americanos reconhecem que os novos blindados dos EUA, destinados a substituir os famosos Humvee, são 'inadequados para o exército'.

    A Auditoria-Geral dos Estados Unidos (GAO) rejeitou os últimos veículos blindados JLTV da família Oshkosh, que foram fornecidos para o exército, devido à falta de confiabilidade e problemas na manutenção e sistema de coleta de informação pela tripulação, escreve o portal Defence blog.

    O portal cita especialistas do Pentágono que indicam que, após dois anos de testes de campo, o primeiro lote de veículos blindados não correspondeu às expectativas. De acordo com o portal, uma versão fortemente armada do blindado Oshkosh, concebido como veículo utilitário principal dos militares americanos, foi considerada "inadequada do ponto de vista operacional".

    Lembre-se que o Oshkosh está disponível em versões de dois e quatro lugares com quatro modelos básicos: um veículo de uso geral, um caminhão, um veículo de armamento pesado e um veículo blindado de combate de proximidade. Todas as variantes são consideradas ineficazes para uso em combate real.

    O novo veículo Oshkosh, 40% mais leve de que os HMMWV (Humvee) e equipado com um motor híbrido, pode ser lançado de paraquedas e servir como gerador de energia móvel. No teto do blindado há espaço para um módulo de combate de controle remoto e o armamento pode ser substituível. Podem ser instaladas metralhadoras de 7,62 mm, lançador de granadas automático, mísseis antitanque TOW e outras opções.

    Mais:

    Exército dos EUA gasta milhões com realidade virtual em treinamentos
    Planos dos EUA de militarização do espaço agravam problemas de segurança
    EUA estão à beira da falência devido a gastos militares, diz mídia
    Tags:
    eficiência, blindado, veículo, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar