02:50 17 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Militares do Exército dos EUA ao lado do sistema Patriot na base aérea de Siauliai, na Lituânia (foto de arquivo)

    EUA aprovam venda bilionária de mísseis Patriot para Bahrein e Emirados Árabes

    © AP Photo / Mindaugas Kulbis
    Defesa
    URL curta
    554
    Nos siga no

    O Departamento de Estados dos Estados Unidos aprovou venda do Sistema de Mísseis Patriot ao Bahrein e Emirados Árabes. A transação tem potencial de chegar aos US$ 5,2 bilhões.

    A informação foi divulgada através de comunicado nesta sexta-feira (3) pela Agência Cooperação em Defesa e Segurança dos EUA.

    O comunicado afirma que a possível venda aos Emirados Árabes Unidos envolve 452 unidades dos Mísseis de Segmento Aprimorado (MSE) Patriot de Capacidade Avançada (PAC-3). O valor estimado da transação é de US$ 2,7 bilhões.

    Em um comunicado à parte, o departamento informa que o Bahrein comprou 60 unidades dos Mísseis de Segmento Aprimorado (MSE) Patriot de Capacidade Avançada (PAC-3), 36 Mísseis Patriot MIM-104E de Orientação Aprimorada, além de cinco grupos de mastros de antena, três estações de energia elétrica, dois conjuntos de radares AN/MPQ-66 e duas estações de controle de batalha.

    A agência de defesa disse ambas as vendas servirão a interesses de segurança nacional dos Estados Unidos ao ajudar aliados a aperfeiçoarem sua segurança e a estabilidade no Oriente Médio.

     

    Mais:

    EUA fazem nova proposta à Turquia sobre sistemas antiaéreos Patriot
    Poderá Turquia ficar sem caças F-35 e sistemas Patriot por querer comprar S-400 russos?
    Oficial turco afirma que oferta americana do sistema Patriot tem detalhes 'inaceitáveis'
    Erdogan explica o que impede a compra de sistemas americanos Patriot
    Tags:
    defesa antiaérea, Radares AN/MPQ-66, Patriot MIM-104E, Patriot Advanced Capability-3, Departamento de Estado dos EUA, Agência Cooperação em Defesa e Segurança dos EUA, Emirados Árabes Unidos, Oriente Médio, Estados Unidos, Bahrein
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar