13:59 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, durante conversações com homólogo japonês Taro Kono (imagem de arquivo)

    Chanceler russo: EUA preparam nova corrida armamentista

    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Defesa
    URL curta
    11130

    O poder nos EUA está nas mãos dos partidários de uma nova corrida armamentista, mas ele não vão conseguir que a Rússia participe desse processo, disse durante um reunião do Conselho para a Política Externa e de Defesa, o chanceler russo, Sergey Lavrov.

    "Se olharmos para as ações de Washington nessa área, podemos concluir que os defensores de uma nova corrida armamentista prevalecem", disse o chefe da diplomacia russa.

    Lavrov lembrou que o presidente russo, Vladimir Putin, destacou repetidamente essa tendência.

    "Quero enfatizar que eles não serão capazes de envolver a Rússia neste dispendioso exercício", destacou o ministro.

    Lavrov denunciou que os Estados Unidos estão empenhados em "destruir" todos os acordos existentes em matéria de controle de armas, incluindo o Tratado sobre mísseis de curto e médio alcance (INF), e o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START).

    Se os Estados Unidos conseguirem o que querem, as consequências serão desastrosas para outros mecanismos existentes em matéria de desarmamento e não-proliferação.

    "É importante não permitir a realização do cenário que se expressa na fórmula familiar de 'ninguém queria guerra, mas a guerra era inevitável'. Estamos tentando trabalhar com todos os nossos parceiros de modo mais próximo e eficaz possível, fazendo propostas para aumentar previsibilidade e confiança na área de segurança internacional ", disse o diplomata.

    Lavrov citou a proposta de um tratado de segurança euro-atlântica e iniciativa conjunta russo-chinesa para impedir a instalação de armas no espaço.

    "Há outras propostas que permanecem na mesa de negociação…mas os nossos colegas em Washington, Bruxelas e outras capitais ocidentais não estão prontos para uma conversa tão profissional", acrescentou o ministro.

    O Tratado INF foi assinado em 1987 pela então União Soviética e os EUA para proibir mísseis balísticos e de cruzeiro com um alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    Em outubro passado, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que seu país abandonaria o pacto, porque Moscou supostamente violou o acordo.

    Segundo o tratado START (também conhecido como START III), os EUA e a Rússia se comprometeram a reduzir seus arsenais para 700 mísseis, 1.550 ogivas nucleares.

    Assinado em 2010, o acordo entrou em vigor em 2011 por um período de dez anos, prorrogável por outros cinco.

    As conversações russo-americanas para estender o tratado estagnaram.

    Mais:

    Rússia: impondo novas sanções contra Irã, EUA destroem tratado de não proliferação nuclear
    Rússia espera cooperação ocidental na não-proliferação de armas nucleares
    Militares dos EUA participam do programa de não proliferação nuclear na Argentina
    Rússia reduziu arsenal nuclear em mais de 85% após Tratado de Não-Proliferação
    EUA violam tratado de não-proliferação ao ter armas nucleares na Europa, diz Moscou
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar