20:27 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Testes de lançamento de mísseis Sarmat

    Análise: míssil russo Sarmat permite destruição garantida dos alvos inimigos

    Ministério da Defesa da Rússia
    Defesa
    URL curta
    6141
    Nos siga no

    Deputado russo afirma que o novo míssil russo representa um fator de contenção que impede Washington de sair do último tratado START. Nessa conexão, o especialista militar russo Boris Rozhin destaca que essa arma garante a paridade nuclear.

    Há pouco, o deputado da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo) Vladimir Gutenev afirmou que o Sarmat é um míssil bastante mais poderoso que seus antecessores, sendo quase invulnerável. Agora que o míssil está passando com sucesso por testes, para os Estados Unidos, a preservação do último tratado START (também conhecido como START III) "corresponde a seus interesses de segurança", explicou o parlamentar.

    Durante uma entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar Boris Rozhin expressou a opinião de que a Rússia está modernizando suas forças nucleares e de mísseis para garantir sua própria segurança.

    "O desenvolvimento deste sistema é um passo lógico devido ao crescimento das ameaças estratégicas à paridade nuclear, quando os EUA estão implantando um sistema de defesa antimíssil na Europa e modernizando seus sistemas de mísseis nucleares, sendo por isso que abandonam o Tratado INF. Nessa conexão, a Rússia está modernizando suas forças de mísseis nucleares para garantir a própria segurança, para manter a paridade de mísseis nucleares", destacou.

    Ao mesmo tempo, o especialista militar avaliou as vantagens do míssil Sarmat.

    "Neste sentido o Sarmat é mais um desenvolvimento dos mísseis pesados de produção nacional, destinados principalmente a ser usados em uma guerra de mísseis nucleares para um ataque de resposta, se os Estados Unidos ou seus aliados tentarem realizar um ataque preventivo para desarmar nosso país a fim de ditar suas condições", explicou.

    Além disso, ele ressaltou que "os mísseis Sarmat permitem a destruição garantida dos alvos apontados pelos militares. As vantagens deste míssil estão em sua maior precisão, alcance efetivo e raio de destruição do alvo", disse Boris Rozhin.

    O Sarmat não tem análogos no mundo. Sua produção em série está marcada para 2020 e o primeiro regimento destes mísseis estará pronto para combate já em 2021. Trata-se de um novo nível de contenção nuclear.

    Mais:

    Marinha do Brasil testa com sucesso novo míssil nacional
    Japão planeja desenvolver míssil de cruzeiro com alcance de 400 km
    EUA desenvolvem míssil antirradar de longo alcance para lutar 'contra inimigos poderosos'
    Tags:
    míssil balístico intercontinental, tratado, testes, modernização, armas nucleares, START III, Sarmat, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar