21:09 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Porta-aviões norte-americano Abraham Lincoln ao lado de caças F-18 durante exercícios no golfo Pérsico

    Porta-aviões dos EUA chega à área da 6ª Frota responsável por operações na Europa e África

    © AP Photo / Hassan Ammar, File
    Defesa
    URL curta
    8212

    O porta-aviões norte-americano Abraham Lincoln e o grupo de ataque que o acompanha começaram nesta segunda-feira (8), a posicionar-se na área da 6ª Frota dos EUA, que atua na Europa e na costa ocidental da África, anunciaram as Forças Navais dos EUA na Europa em comunicado à imprensa.

    "A presença do Abraham Lincoln na região [faz] parte de uma contínua rotação de forças avançadas que promovem as operações de segurança marítima", lê-se no comunicado.

    "Ao operar na área da 6ª Frota dos EUA, o grupo de ataque de Abraham Lincoln irá participar de treinamentos realistas para aumentar as capacidades de nossos aliados e reforçar as parcerias através de eventos multilaterais".

    O grupo de ataque inclui o porta-aviões USS Abraham Lincoln da classe Nimitz como navio-almirante, a asa aérea (do porta-aviões) Air Wing Seven, o cruzador de mísseis Leyte Gulf da classe Ticonderoga e destróieres do Segundo Esquadrão, segundo o comunicado.

    A fragata espanhola Mendez Nunez se juntará ao grupo de ataque do Abraham Lincoln, acrescentou o comunicado. A 6ª Frota dos EUA é responsável pelas operações na Europa e na África.
    De acordo com a Marinha dos EUA, o porta-aviões Abraham Lincoln voltou ao serviço ativo em 2017, após quatro anos de reabastecimento da instalação nuclear e uma revisão completa dos equipamentos.

    Mais:

    'Mudança de estratégia': por que EUA querem abrir mão do porta-aviões Harry S. Truman?
    Como submarino nuclear soviético abriu rombo em porta-aviões dos EUA
    Porta-aviões da Marinha dos EUA estará fora de ação por 2 anos
    Tags:
    porta-aviões, USS Abraham Lincoln, 6ª Frota dos EUA, Marinha dos EUA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar