04:24 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Submarino soviético K-278 Komsomolets

    Supremacia subaquática: NI recorda capacidades do submarino soviético que bateu recordes

    CC0 / Wikipedia
    Defesa
    URL curta
    5140
    Nos siga no

    Segundo a revista americana National Interest, os submarinos soviéticos eram geralmente muito mais rápidos que seus homólogos americanos, além de poderem mergulhar duas vezes mais fundo – a 500 metros de profundidade.

    De uma perspectiva ocidental, os engenheiros soviéticos pareciam encarar os seus submarinos da Guerra Fria como se fossem caças de alta performance destinados a vencer seus adversários em uma batalha, de acordo com o artigo.

    Devido aos altos índices de acidentes causados pela falta de proteção contra radiação e pela fraca cultura de segurança, o departamento russo para o desenvolvimento da engenharia naval finalizou em 1974 um projeto, chamado Projeto 685, de um novo submarino destinado a servir de teste para futuros submersíveis de quarta geração, que literalmente poderia dobrar a já considerável vantagem na profundidade de imersão do navio soviético.

    A revista National Interest detalha que esse submarino único, com o número K-278, foi chamado de Komsomolets, que em tradução literal significa "escoteiro comunista". O casco interno dessa embarcação foi construído inteiramente em liga de titânio 48T, um metal extremamente caro, tão resistente quanto o aço, mas consideravelmente mais leve.

    A edição destaca que o submarino resultante do projeto em questão, intitulado pela NATO de "Classe Mike", possuía 117 metros de comprimento e tinha um deslocamento de 8.000 toneladas.

    O casco de titânio proporcionava à embarcação capacidades se suportar pressões altíssimas, enquanto os sistemas automatizados avançados permitiam que o enorme navio fosse operado por uma tripulação de apenas 57-64 homens.

    Estreado em junho de 1983, o Komsomolets foi concebido como um laboratório de testes, com capacidade de combate secundária, capaz de lançar 22 torpedos comuns, assim como torpedos supervelozes Shkval e mísseis antissubmarino RPK-2 Vyuga, detalha a revista.

    Em 1984, sob o comando do capitão Yuri Zelenskiy, a embarcação mergulhou a 1.020 metros no mar da Noruega — a maior profundidade jamais alcançada por um submarino militar armado.

    Como comparação, o artigo cita os submarinos das classes Los Angeles e Virginia em serviço nos EUA têm hoje oficialmente uma profundidade de imersão de 240 metros.

    O Komsomolets foi finalmente enviado para sua primeira missão operacional em abril de 1989, sob o comando do capitão Yevgeny Vanin, mas tragicamente sofreu um acidente que o fez afundar, resultando na morte de 42 dos 69 tripulantes a bordo. A maioria deles faleceu depois de ter abandonado com sucesso o navio, devido à hipotermia causada pelas águas geladas norueguesas.

    O autor da publicação revela que o submarino sofreu uma avaria elétrica quando se encontrava submerso a 368 metros, tendo se afundado no mar a 1.680 metros com dois mísseis nucleares a bordo.

    Durante anos, os governos escandinavos estudaram repetidamente o casco rachado do navio em busca de evidências de contaminação, descobrindo alguns sinais de vazamento de plutônio em uma inspeção em 1994. Algumas das fissuras e vazamentos foram selados, e as pesquisas subsequentes, felizmente, não encontraram mais que uma contaminação mínima.

    Mais:

    Caça Su-57 ou F-35? NI revela aspecto-chave na comparação dos caças de 5ª geração
    NI revela problemas dos caças F-22 que deveriam atacar qualquer lugar do mundo em 24h
    NI aponta próximo grande problema da Força Aérea dos EUA
    Leviatãs da Guerra Fria: NI realça capacidades do submarino nuclear russo Akula
    Tags:
    capacidade, submarino nuclear, K-278 Komsomolets, União Soviética, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar