22:50 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Sistemas de defesa antiaérea russos S-400

    Turquia precisa dos sistemas S-400 para uso próprio e não vai revendê-los, afirma ministro

    © Sputnik/ Ilya Pitalev
    Defesa
    URL curta
    4130

    Sistemas russos de defesa antiaérea S-400 são para uso próprio da Turquia e não serão revendidos, afirmou o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu.

    "Nós assinamos este acordo com a Rússia, a Turquia precisa destes sistemas de mísseis [S-400], nós consultamos muitos países, debatemos [essa questão], mas alguns países não nos quiseram fornecer sistemas de defesa antiaérea, e nós chegamos a um acordo com a Rússia. Este acordo foi assinado e está em vigor, agora estamos discutindo a data da entrega", disse Cavusoglu no final das conversações com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.

    Ele continuou destacando que um país terceiro se opor a um acordo entre dois países é contrário ao direito internacional. "Estamos comprometidos com este acordo. Não pode haver tal coisa como a revenda a terceiros países. Estamos comprando os S-400 para uso próprio'', sublinhou.

    "Assinamos com a Rússia um acordo que não diz respeito a países terceiros. Nós adquirimos os sistemas para uso próprio, precisamos dos sistemas [S-400]. A Rússia pode vender S-400 a outros países, por que eu devo ser contra um produto que adquiro para uso próprio? Um aspecto importante é que alguns componentes são produzidos na Turquia", explicou o ministro turco.

    Em 2017, a Rússia e a Turquia assinaram um contrato, avaliado em 2,5 biliões de dólares, para venda de quatro baterias S-400. Assim, a Turquia irá se tornar o quarto país a possuir tais sistemas de misseis, depois da Rússia, da Bielorrússia e da China.

    Mais:

    Mídia: EUA podem suspender entregas dos F-35 à Turquia
    Senadores dos EUA introduzem projeto para impedir transferências de F-35 à Turquia
    Tags:
    negociações, s-400, Mevlut Cavusoglu, Sergei Lavrov, Rússia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar