20:19 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Porta-aviões americano USS Harry S. Truman

    'Mudança de estratégia': por que EUA querem abrir mão do porta-aviões Harry S. Truman?

    CC BY 2.0 / Marinha dos EUA / Marinha dos EUA
    Defesa
    URL curta
    1211

    O orçamento da Marinha dos EUA para o ano de 2020 prevê o descomissionamento e desmontagem do porta-aviões nuclear USS Harry S. Truman, duas décadas antes do previsto.

    Em 2024, a embarcação, comissionada em 1998, deveria passar por reformas com o recarregamento dos reatores nucleares. Porém, segundo especialistas do Pentágono, se os EUA dispensarem este procedimento, daria para economizar US$ 6,5 bilhões no orçamento da Marinha. Tomando em conta as despesas de utilização do porta-aviões até o final do serviço em 2048, a economia pode corresponder a mais de US$ 30 bilhões.

    Tal passo contradiz os planos dos EUA de criar uma frota de 12 porta-aviões, de acordo com a edição Stars&Stripes. No momento, Washington dispõe de 11 embarcações deste tipo: 10 da classe Nimitz e o porta-aviões almirante de nova geração Gerald R. Ford. No momento, está em curso a construção de mais dois navios do tipo, porém, estes só estarão prontos em meados dos anos 2020. Outros dois porta-aviões, o "fundador" da série Nimitz e o George H.W. Bush, no momento estão passando por obras de reparação. O último sairá do estaleiro somente em 2021. Enquanto isso, segundo a edição, os EUA continuam dispondo da maior frota de porta-aviões do mundo.

    Mesmo assim, a retirada de um navio com altas capacidades de combate, que não seja obsoleto, pode evidenciar uma mudança na estratégia naval norte-americana, lê-se na matéria.

    Com o desenvolvimento dos meios antinavio russos e chineses, os porta-aviões deixaram de ser uma "arma absoluta", ficaram mais vulneráveis, podendo acabar sendo "túmulos caros" para os tripulantes, segundo a matéria do Stars&Stripes. Por exemplo, o míssil chinês DF-21D, segundo as autoridades da China, é capaz de atacar um porta-aviões, enquanto os mísseis DF-26, versão modernizada dos DF-21, alegadamente são capazes de atingir o território da ilha norte-americana de Guam, onde se localizam algumas bases militares dos EUA, concluiu a edição.

    Mais:

    Marinha dos EUA obtém acesso a portos de Omã em meio a tensões com Irã, diz mídia
    Marinha dos EUA quer criar 'frota fantasma' de navios drones
    Marinha dos EUA estaria sofrendo problemas sérios de segurança cibernética, aponta análise
    Tags:
    embarcação, navio, estratégia, porta-aviões, Harry S. Truman, Marinha dos EUA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar