08:06 23 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Teste do sistema antimíssil norte-americano THAAD (foto de arquivo)

    Pentágono pretende adquirir 10 mil mísseis para conter Rússia e China, segundo portal

    © REUTERS / Leah Garton
    Defesa
    URL curta
    34540

    O Departamento de Defesa dos EUA pretende adquirir mais de dez mil mísseis para possível utilização contra a Rússia ou a China, de acordo com o portal Task and Purpose.

    De acordo com a edição, o Pentágono planeja incluir no projeto de orçamento para o ano fiscal de 2020 fundos para comprar 10.193 mísseis terra-terra destinados a lançadores múltiplos. O portal frisa que tal número é 26% superior ao de 2019, quando o Pentágono solicitou 8.101 mísseis, e 47% superior a 2018, quando o departamento pediu 6.936 mísseis.

    Segundo a edição, a compra deste armamento para "neutralização ou supressão da artilharia de campo e sistemas de defesa antiaérea do adversário", vai custar aproximadamente US$ 1,4 bilhões (R$ 5,3 bilhões).

    Conforme informação do portal, o crescimento drástico dos gastos para aumentar o arsenal de mísseis está relacionado à "reorientação" do Pentágono para lançadores múltiplos terrestres. O objetivo é fazer frente à Rússia e a China depois da relativa "derrota" do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em vários outros países) no Iraque e na Síria. 

    Na resenha do orçamento de defesa para o próximo ano fiscal, publicada no início de março, o Pentágono aponta que a prioridade na modernização do Exército dos EUA será dada ao "aperfeiçoamento do alcance e da letalidade da artilharia, bem como ao aumento das capacidades de mísseis para estabelecer a supremacia a todos os níveis". 

    Mais:

    Vice-ministro: Rússia não planeja instalar mísseis a menos que os EUA o façam na Europa
    Imprensa confirma intenção dos EUA em testar mísseis proibidos por tratado com Rússia
    Rússia rejeita ameaças dos EUA à petroleira russa por cooperar com Venezuela
    Tags:
    orçamento militar, mísseis, Pentágono, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar