20:24 13 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Boeing RC-135V norte-americano

    Avião de reconhecimento americano é detectado perto da costa da Crimeia

    CC BY-SA 2.0 / Alan Wilson / Boeing RC-135V
    Defesa
    URL curta
    407
    Nos siga no

    Um avião Boeing RC-135V Rivet Joint de inteligência eletrônica da Força Aérea dos Estados Unidos executou uma missão de reconhecimento ao longo da zona costeira russa no mar Negro.

    Às 8h20, horário de Moscou (2h20 horário de Brasília), a aeronave decolou da base aérea da Marinha grega de Suda — um dos pontos de apoio das marinhas da OTAN no Mediterrâneo Oriental.

    ​8h20, horário de Moscou. Avião de inteligência eletrônica da Força Aérea dos EUA (38th RS/55th WG), Boeing RC-135V Rivet Joint, com o número de bordo 64-14846, prefixo PANEL31, decolou da base aérea de Suda localizada na ilha grega de Creta e supostamente se dirigiu à bacia do mar Negro.

    O voo durou cerca de 6 horas, durante as quais o avião efetuou vários sobrevoos ao longo da costa da Crimeia.

    A presença de aviões de inteligência estrangeiros e de aeronaves não tripuladas perto das fronteiras da Rússia tem aumentado bastante nos últimos anos. Assim, aeronaves estrangeiras são vistas com regularidade perto da península da Crimeia, na região de Krasnodar e também no mar Báltico.

    Durante o ano passado, unidades das Tropas Radiotécnicas das Forças Aeroespaciais russas detectaram e acompanharam mais de 980 mil aparelhos voadores, 3 mil deles eram aviões militares estrangeiros, mais de mil dos quais eram aviões de reconhecimento. As forças de prevenção foram colocadas em prontidão máxima de combate por mais de 4 mil vezes.

    Mais:

    Avião dos EUA efetua voo de observação sobre leste da Rússia (FOTO)
    Drone americano efetua reconhecimento nas fronteiras ocidentais da Rússia (FOTO)
    EUA e Noruega farão voo de observação sobre a Rússia
    Tags:
    avião de reconhecimento, Força Aérea, OTAN, EUA, Crimeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar