14:19 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Drone subaquático Poseidon

    Mídia estadunidense avalia capacidades do 'torpedo do apocalipse' russo

    © Foto: Ministério da Defesa da Rússia
    Defesa
    URL curta
    6332

    A revista americana Popular Mechanics, dedicada à ciência e tecnologia, avaliou as capacidades do novo drone submarino russo Poseidon, batizado pelos especialistas estadunidenses como "torpedo do apocalipse".

    Segundo o autor do artigo, "a combinação de capacidade de imersão profunda e alta velocidade fará com que o Poseidon seja difícil de interceptar". Ele sublinha que o novo drone submarino russo foi projetado para atacar alvos costeiros, tais como uma base submarina, um porto ou cidade costeira.

    No artigo, no qual se sugere que os testes recentes do drone foram realizados a partir de um submarino Sarov, se revela que a arma russa "arrepiante" seria destinada a ser usada "depois de um ataque nuclear contra a Rússia", fazendo um ataque nuclear contra o país "demasiado terrível de contemplar".

    O Poseidon, que se encontra em estado de testes finais, pode ser equipado com munições convencionais e nucleares. Em essência, trata-se de um torpedo submarino capaz de navegar a distâncias de até 10.000 quilômetros a velocidades entre 60 e 70 nós (de 110 a 130 km/h) graças a um mecanismo de propulsão nuclear e com capacidade de destruir portos e cidades costeiras. Também pode causar cataclismos naturais, incluindo enormes tsunamis.

    O sistema Poseidon, entre outras novíssimas armas russas, foi apresentado pelo presidente do país, Vladimir Putin, em seu discurso à Assembleia Federal em 1º de março de 2018. Está previsto que a Marinha russa o deva receber até ao fim do programa estatal de defesa aprovado para até 2027.

    Mais:

    Poderoso drone subaquático russo Poseidon pode atingir 200 km/h, revela fonte
    Por que drone submarino Poseidon e míssil balístico Sarmat são invulneráveis?
    Tags:
    defesa, drone, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar