15:46 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Os soldados do exército dos EUA da 101ª Divisão Aerotransportada

    'iPhone da letalidade': exército dos EUA planeja criar novo rifle (FOTO)

    © AFP 2019 / FILES DAVID FURST
    Defesa
    URL curta
    761

    Militares norte-americanos planejam desenvolver novos rifles para substituir a carabina M4 e a metralhadora automática M249, baseando-se na experiência da Apple, relataram ao Task & Purpose alguns funcionários do Cento de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia de Armamento dos EUA (ARDEC, na sigla em inglês).

    Segundo informações do coronel Elliott Caggins, o exército dos EUA tem "milhares de recursos" que poderiam ser integrados em seu novo rifle, que é descrito pela publicação como um "iPhone da letalidade".

    ​"Imaginem que Steve Jobs e seus engenheiros estavam tentando transformar um iPod Touch no primeiro iPhone 3G. Havia milhares de tecnologias que eles poderiam ter implantado no primeiro iPhone, mas eles procuraram amadurecer a plataforma antes de instalar o sistema", sublinhou.

    "Isso significa que suas capacidades [das armas] só vão aumentar, tal como aconteceu com o iPhone", acrescentou Caggins.

    Por sua vez, o líder do programa de Armas de Nova Geração (NGSW, na sigla em inglês), Arthur Fiorellini, observa que a nova arma pode incluir um sistema de controle de fogo para aumentar as probabilidades de impacto em distâncias maiores, um processador protegido contra ataques cibernéticos, assim como um sensor projetado para acomodar mudanças de pressão e densidade usando um telêmetro para calcular a velocidade do vento e ajustar a posição do rifle.

    Mais:

    BI aponta 'verdadeiro motivo' de criação do torpedo subaquático russo Poseidon
    Peça de artilharia ou míssil balístico? China revela que arma os EUA estão desenvolvendo
    Kalashnikov mostra em ação novíssima metralhadora leve RPK-16 (VÍDEO)
    Tags:
    tecnologia, plataforma, iPhone, rifle, Exército dos EUA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar