13:45 21 Abril 2019
Ouvir Rádio
    As forças da OTAN na Letônia

    Washington exige que Alemanha aumente gastos militares porque 'Rússia está à porta'

    © REUTERS / Ints Kalnins
    Defesa
    URL curta
    29226

    Berlim não deve economizar em defesa porque "a Rússia está à porta", declarou o embaixador dos EUA na Alemanha, Richard Grenell.

    "As obrigações da Alemanha de aumentar os gastos militares para 1,5% [do PIB] são insuficientes, a OTAN exige 2% até 2024", disse o embaixador em entrevista ao jornal Welt am Sonntag poucos dias antes da reunião dos ministros da Defesa da OTAN em Bruxelas.

    "Os EUA simplesmente lembram à sua boa aliada, a Alemanha, que agora não é a hora de enfraquecer ou minar a OTAN. A Rússia está à porta, deveria ser claro para todos que a OTAN tem de se fortalecer", acrescentou o embaixador.

    Grenell declarou que "a Alemanha ainda não apresentou um plano convincente de um caminho para uma meta de 2%".

    Segundo o diplomata, ele “entende que os alemães preferem gastar o dinheiro dos impostos em casa e não aumentar o orçamento militar".

    Ao mesmo tempo, Grenell negou os rumores que os EUA poderiam abandonar a aliança militar e afirmou que "os EUA estão totalmente comprometidos com a OTAN".

    Em julho de 2016, a OTAN aprovou um aumento sem precedentes de sua presença militar no leste da Europa, que inclui a implantação de batalhões multinacionais na Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia no âmbito de uma política de contenção da Rússia, que foi acusada de desestabilização da situação na Ucrânia.

    Comentando a situação, o chanceler russo, Sergei Lavrov, disse que a aliança está ciente de que a Rússia não planeja atacar nenhum país e usam a suposta ameaça russa para justificar o envio de armas e tropas para perto das fronteiras russas.

    Mais:

    Stoltenberg afirma que caças da OTAN podem comprometer defesa aérea russa
    Expansão da OTAN na Europa é uma 'relíquia da Guerra Fria', diz Putin
    Premiê promete: 'Macedônia se tornará membro da OTAN em breve e depois ingressará na UE'
    Tags:
    gastos militares, OTAN, Rússia, EUA, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar