18:50 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Eliminação de RSD-10

    Veterano da Força Aérea dos EUA fala sobre misteriosa 'cúpula de luz' soviética

    © Sputnik / Vladimir Rodionov
    Defesa
    URL curta
    6282

    O lançamento do míssil soviético de médio alcance RSD-10 Pioner foi acompanhado por um fenômeno incompreensível na forma de uma “cúpula de luz”, que os militares americanos consideraram um "sistema exótico" de defesa antiaérea, contou o veterano da Força Aérea norte-americana Robert Hopkins em entrevista ao The Drive.

    De acordo com Hopkins, ele e seu parceiro voavam a bordo de um avião de reconhecimento RC-135S Cobra Ball no final de 1988 quando observaram uma "cúpula de luz".

    Naquela época, a equipe do 24º Esquadrão de Inteligência Estratégica, onde Robert Hopkins servia, estava localizada na Base Aérea de Shemiya, no Alasca. Durante este período, a União Soviética lançou o míssil Pioner (SS-20, na classificação da OTAN) na direção do polígono de Kura, no norte da Kamchatka. A tripulação americana assistiu aos testes e coletou dados.

    Conforme recorda o piloto, naquela noite praticamente não havia estrelas no céu e a Lua não brilhava. Primeiro tudo corria como era esperado, mas depois começaram a acontecer coisas estranhas. A princípio, a tripulação notou algo semelhante a uma parede branca translúcida, que se movia acima do território soviético em direção ao oceano Pacífico.

    Hopkins admitiu que os pilotos espantados a princípio pensaram que era uma alucinação, então começaram a perguntar um ao outro sobre a parede de luz vista. Os pilotos informaram a chefia sobre o fenômeno estranho, e a Divisão de Tecnologia Estrangeira da Força Aérea iniciou uma investigação. No entanto, eles não conseguiram encontrar uma resposta para o que foi visto pelos pilotos, escreve o The Drive.

    Capitais europeias na mira

    O sistema Pioner (RSD-10) é um armamento terrestre móvel soviético com um míssil balístico de dois estágios de combustível sólido de médio alcance, que entrou em serviço em 1976.

    Os sistemas de mísseis Pioner substituíram os sistemas R-12 e R-14, que estavam em serviço ativo na parte europeia da URSS, e foram apontados para as capitais europeias. Muito rapidamente o novo míssil soviético ficou conhecido como SS-20 e considerado uma "ameaça para a Europa".

    Estes complexos estiveram operacionais até 1991 e foram liquidados de acordo com o Tratado INF. Durante os 15 anos de operação, não houve um único caso de destruição ou acidente envolvendo estes mísseis. Durante os testes, operação e eliminação foram disparados 190 mísseis. Todos os lançamentos foram bem sucedidos e a probabilidade de atingir o alvo atingiu 98%.

    Tratado INF

    O Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, conhecido como Tratado INF é um tratado entre a União Soviética e os EUA, assinado por Mikhail Gorbachev e Ronald Reagan em 8 de dezembro de 1987 durante a cúpula soviético-americana em Washington, tendo entrado em vigor em 1 de junho de 1988.

    Pela primeira vez na história, o tratado permitiu a eliminação de toda uma classe de armamentos: as partes se comprometeram a destruir todos os mísseis terrestres balísticos e mísseis de cruzeiro de curto (de 500 a 1000 km) e médio alcance (1000-5500 km), bem como não produzir, testar ou implantar tais armamentos no futuro.

    Em junho de 1991, a implementação do tratado foi concluída: a URSS destruiu 1.846 mísseis (cerca de metade deles eram mísseis que não estavam em serviço ativo) e os EUA — 846 complexos. Após várias acusações mútuas de violar o tratado, as partes declararam em fevereiro de 2019 que suspendem a observação do tratado.

    Mais:

    'Golpe sobre sistema de controle de armas': EUA notificam Rússia sobre saída do INF
    Putin: Rússia irá suspender participação do Tratado INF com EUA
    Saída dos EUA do Tratado INF traz ameaça nuclear à Europa, diz ministra austríaca
    Tags:
    mísseis, misteriosa, luz, veterano, Tratado INF, Força Aérea, União Soviética, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar