07:04 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Veículos militares lavando mísseis balísticos chineses DF-26

    Peça de artilharia ou míssil balístico? China revela que arma os EUA estão desenvolvendo

    © AFP 2019 / Andy Wong
    Defesa
    URL curta
    7145

    Os Estados Unidos estão criando uma nova arma de artilharia capaz de destruir alvos à distância de mais de 1.600 quilômetros, escreve a mídia chinesa.

    Segundo informa o Global Times, o jornal oficial do Partido Comunista da China, a nova "arma de fogo" recentemente anunciada pelos EUA poderia ser não um canhão, mas um míssil balístico de médio alcance.

    De acordo com o secretário do Exército dos Estados Unidos, Mark Esper, trata-se de um "supercanhão" capaz de atingir navios da Marinha do gigante asiático no mar do Sul da China a uma distância de 1.600 quilômetros.

    Ao mesmo tempo, o alcance normal dos canhões é de 160 km, enquanto o dos canhões eletromagnéticos atinge 480 km.

    Especialistas chineses acreditam que os EUA podem ter designado a nova arma de "supercanhão" para ocultar o desenvolvimento de um míssil balístico de médio alcance, a fim de evitar a violação do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).

    Além disso, os especialistas chineses afirmam que, na verdade, os EUA usaram o míssil chinês Dongfeng-26 (DF-26) para criar este polêmico "supercanhão".

    O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de terem mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    No entanto, Washington anunciou seus planos de abandonar o tratado em fevereiro.

    Mais:

    Exército dos EUA cogita uso de canhão de longo alcance contra possíveis adversários
    China armará seu 'superveículo' blindado com canhão naval automático (FOTO)
    Tanques avançados da China ficaram complicados demais para militares chineses?
    Tags:
    míssil balístico, artilharia, canhão, Mar do Sul da China, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar