10:42 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Caça F-35 (foto de arquivo)

    Analistas americanos duvidam da capacidade do F-35 de derrubar mísseis balísticos

    © AP Photo / Rick Bowmer
    Defesa
    URL curta
    950

    Os EUA planejam adicionar caças F-35 ao escudo antimíssil. Entretanto, para conseguirem derrubar mísseis balísticos, esses aviões precisam de uma arma que ainda não possuem, informaram analistas militares americanos.

    Segundo David Axe, o escudo antimísseis balísticos, em breve, poderia contar com quase 2.300 caças F-35 que o Corpo de Fuzileiros Navais, a Força Aérea e a Marinha dos EUA planejam adquirir até a década de 2030.

    "No futuro, as capacidades adicionais de defesa antimíssil, como o F-35 […], também podem contribuir para aumentar as capacidades móveis dos EUA, conforme necessário em caso de crise ou conflito", revela a revisão, citada pela revista The National Interest.

    Entretanto, David Axe considera o conceito "arriscado", porque o F-35 precisaria de um novo míssil para ter alguma possibilidade de derrubar mísseis inimigos e não se sabe ao certo se o Exército dos EUA está atualmente trabalhando no desenvolvimento dessa arma. 

    Para o especialista em energia nuclear Jeffrey Lewis, a ideia de que um caça F-35 poderia derrubar um míssil com as armas que possui é "louca".

    O míssil ar-ar AMRAAM é o único míssil de longo alcance do F-35 em serviço nos EUA. O AMRAAM precisa de atmosfera para se guiar. Desta forma, para que um F-35 derrube um míssil balístico intercontinental, ele teria que fazê-lo antes que o projétil supere 100.000 pés — cerca de 30.480 km. Isso dá ao piloto do avião apenas alguns minutos para detectar e interceptar o míssil inimigo após o seu lançamento.

    "Isso estabelece um prazo muito curto para detecção", explicou a especialista em mísseis, Laura Grego.

    O AMRAAM de maior alcance supostamente pode viajar uns 145 km. Os eventuais inimigos dos EUA, como a Coreia do Norte, por exemplo, lançam mísseis de seu próprio território, afirmou Axe.

    "Como fazer para que os F-35 cheguem lá em segurança? Acredito ser necessário ocupar primeiramente a Coreia do Norte para usá-lo [o AMRAAM]", acrescentou Grego.

    A solução para o problema é o desenvolvimento de um novo míssil. Entretanto, embora o Departamento de Estado tenha considerado a criação de uma nova arma de combate de longo alcance (LREW, na sigla em inglês), um possível substituto para o AMRAAM, parece que o projeto ainda não está em desenvolvimento.

    "Se o Pentágono tivesse realmente começado a desenvolver um novo míssil em 2019, poderia não estar pronto para combate até meados de 2020", escreve Axe no seu artigo.

    Entretanto, mesmo com um míssil de maior alcance, é provável que o F-35 precise patrulhar dentro dos territórios hostis ao alcance das plataformas de lançamento inimigas, evitando suas defesas antiaéreas.

    Mais:

    Turquia pretende comprar 120 caças F-35 dos EUA
    Caça de 5ª geração americano F-35 é afastado dos testes de combate finais
    Tags:
    defesa antimísseis, F-35, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar