00:28 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Helicóptero de combate Mi-28NM durante o salão MAKS-2017, no polígono de Zhukovsky

    Conheça novo helicóptero russo que poderá superar seu rival norte-americano

    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Defesa
    URL curta
    4260

    Uma versão atualizada do helicóptero de combate Mi-28NM Nochnoi Okhotnik (Caçador Noturno, em português) será entregue ao Exército russo em breve.

    A aeronave foi aprimorada com a ampliação das capacidades furtivas e de detecção de alvos, o aumento da potência do motor e a instalação de mísseis de alta precisão. Saiba mais sobre as características desse helicóptero na matéria da Sputnik.

    Tecnologia avançada a bordo

    Por considerar haver mais vantagens do que desvantagens no sistema "duplo" de pilotagem da versão anterior do helicóptero, os especialistas militares decidiram manter essa solução construtiva. No entanto, a nova versão conta com mais um controle e pedais destinados ao copiloto sentado atrás do comandante, o que aumenta a possibilidade de sobrevivência da aeronave se um dos tripulantes for ferido em combate.

    Os equipamentos da cabine também foram modernizados: os pilotos poderão obter informações mais completas sobre o meio ambiente e a operação de todos os sistemas da aeronave, facilitando assim a interação e a eficiência na tomada de decisões em uma situação de combate. A blindagem também é reforçada: a tripulação está agora protegida de balas e bombas de calibre até vinte milímetros. Além disso, o helicóptero dispõe de maior resistência a danos devido aos materiais especiais usados e soluções de design. Por exemplo, as pás do rotor são feitas de compósitos que permitem a conclusão do voo com segurança, mesmo se elas forem atingidas por um projétil de calibre de 20 a 30 milímetros. Do mesmo modo, o design modificado do sistema de combustível elimina a explosão ou ignição do combustível.

    A partir desse ano, o Mi-28NM deve ser dotado de um moderno sistema defensivo a laser capaz de desviar mísseis disparados por um helicóptero inimigo. Ao mesmo tempo, a antena do radar foi movida do nariz para o centro do rotor e coberta por uma carenagem esférica. Essa mudança ajuda a usar de modo mais eficaz as armas de precisão a bordo, incluindo os mísseis, pois amplia a visão panorâmica do piloto e reduz o tempo de busca e destruição de alvos. O Mi-28NM se tornou uma máquina capaz de enfrentar quaisquer condições climáticas e de destruir qualquer alvo, inclusive tanques e drones. 

    Juntamente com os novos componentes eletrônicos, o Mi-28NM recebeu um motor russo VK-2500P. A potência em modo de emergência aumentou de 2.700 para 2.800 cavalos e de 2.400 para 2.500 na decolagem. E mais: a velocidade máxima do helicóptero aumentou para quase 325 quilômetros por hora.

    A aeronave será equipada com mísseis antitanque 9M123M Khrizantema-BM. Além disso, está sendo considerada a instalação de bombas. 

    Posição frente à concorrência

    Diversos especialistas comentam a significativa superioridade do helicóptero russo sobre seu principal concorrente norte-americano: o AH-64D Apache-D. Em particular, o representante da Fábrica de Helicópteros Mil, Yevgeny Poluyanov, ressalta a grande eficácia do helicóptero russo em atingir alvos aéreos com o mais recente sistema de mísseis. 

    Cumpre esclarecer que o Apache está em serviço há mais tempo – desde a década de 1980 – e já passou por várias etapas de modernização. 

    No entanto, segundo o especialista em aviação e editor-chefe da revista Vzlet, Andrei Fomin, ainda é prematuro comparar o Mi-28NM com as versões mais recentes do Apache, já que o helicóptero russo ainda tem que passar por várias etapas de testes.

    Mais:

    VÍDEO registra manobra de alto risco do caça Su-35S a partir de ângulo incomum
    Caça F-15 israelense perde cobertura da cabine a 30.000 pés de altitude
    Novo avião da Airbus rumo ao Brasil: conheça as vantagens da aeronave mais moderna (FOTOS)
    Tags:
    alvos, mísseis, modernização, helicóptero, Apache, Mi-28NM, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar