01:06 24 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Máquina para construção de túneis

    Labirintos de morte: como exércitos mundiais combatem guerrilheiros subterrâneos (FOTOS)

    © Sputnik / Andrei Stanavov
    Defesa
    URL curta
    2133

    Dezenas de quilômetros de túneis escavados à mão, incluindo armazéns de munições, hospitais e estados-maiores, são usados pelas unidades armadas ilegais. Alguns deles estão a tal profundidade que suportam o impacto direto de bombas aéreas. Conheça os maiores complexos subterrâneos do século XX.

    Ataque contra túneis

    No início de dezembro os israelenses anunciaram o começo da operação Escudo do Norte. O seu alvo é a liquidação de uma rede ramificada de passagens subterrâneas transfronteiriças, escavadas pelo movimento libanês Hezbollah e supostamente usadas para passar militantes para Israel.

    Os túneis entram pelo território israelense a distâncias que variam entre dezenas de metros e vários quilômetros. Segundo o ex-ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, as novas capacidades tecnológicas do país permitem nos próximos meses acabar com a ameaça dos túneis.

    Túneis usados para contrabando na Faixa de Gaza
    © Sputnik / Artur Gabdrakhmanov
    Túneis usados para contrabando na Faixa de Gaza

    Em 2015, Israel já havia realizado a campanha militar Margem Protetora contra a Faixa de Gaza com o objetivo de destruir a infraestrutura do movimento Hamas, destruindo cerca de 30 túneis e até efetuando uma operação terrestre na região, que resultou na morte de 2.100 palestinos e mais de 70 israelenses.

    Os túneis são considerados a arma mais perigosa dos militantes na Faixa de Gaza. Não é apenas um modo de travar a guerra, estas passagens eletrificadas entre a Faixa de Gaza e o Egito permitem transportar pessoas, combustível, comida, automóveis, criando a assim chamada "economia de túneis", ou economia subterrânea.

    Guerreiros subterrâneos

    Os terroristas usam amplamente a tática de "guerra subterrânea" contra as tropas governamentais da Síria. O exército detecta e destrói regularmente tais passagens subterrâneas, usadas pelos militantes para se protegerem dos ataques aéreos, se deslocarem entre as regiões e povoados, fazer fogo contra as unidades militares e depois se esconder. Em tais construções há frequentemente armazéns e oficinas de produção de armas e explosivos, hospitais e prisões para reféns.

    O mais importante é detectar a entrada do túnel, camuflada em regra dentro de algum edifício. Sendo um método eficaz de travar a guerra, os militantes não deixam de escavar túneis, apesar dos frequentes desmoronamentos de terra. A maioria deles foi escavada à mão, mas às vezes são usados equipamentos especiais.

    Militares do Exército sírio nos arredores de Damasco
    © Sputnik / Mikhail Voskresenskiy
    Militares do Exército sírio nos arredores de Damasco

    Há "cidades" subterrâneas inteiras em quase todas as regiões da Síria. Por exemplo, a extensão destas passagens em apenas um dos arredores de Damasco atingia 50 quilômetros.

    Poço sem água

    Os soldados soviéticos já tinham enfrentado estes "guerrilheiros subterrâneos" no Afeganistão. Os mujahidin usavam uma espécie de poços de vários níveis, anteriormente destinados a transportar a água subterrânea para os povoados. Os militares soviéticos aprenderam bastante rapidamente a detectar e destruir tais poços onde os guerrilheiros se escondiam, usando explosivos.

    Mujahidin no Afeganistão
    © Sputnik / V. Kiselyov
    Mujahidin no Afeganistão

    O maior refúgio subterrâneo dos militantes afegãos é o conjunto de cavernas de Tora Bora, no leste do Afeganistão. Localizado a uma altitude de 4.000 metros e a uma profundidade de até 400 metros, Tora Bora é um sistema de cavernas e túneis com armazéns de armas e munições, bunkers e áreas habitáveis. As tropas soviéticas atacaram várias vezes essa base, no entanto, depois da guerra, os terroristas estabeleceram-se lá de novo.

    Reis subterrâneos

    Mais experientes na guerra de túneis são os vietnamitas, segundo mostra a história do século XX. Durante a guerra colonial com a França eles construíram grandes instalações debaixo da terra, na sua maioria à mão, usando enxadas, pás e cestas.

    Depois da entrada das tropas dos EUA no país, os túneis foram aperfeiçoados e ampliados, tornando-se praticamente a principal dor de cabeça dos norte-americanos. Centenas de soldados morreram por causa dos combatentes vietnamitas que faziam fogo e desapareciam debaixo da terra.

    Em 1966, os norte-americanos criaram destacamentos especiais para lutar contra os guerrilheiros subterrâneos. Esses destacamentos, chamados de "ratazanas de túneis", minavam e destruíam os labirintos por dentro.

    As operações eram tão perigosas que nelas participaram apenas voluntários. Além disso, as entradas nos túneis eram muito pequenas, adaptadas para guerrilheiros vietnamitas, e um americano médio não conseguia entrar, por isso os destacamentos especiais eram formados pelos soldados mais pequenos.

    Soldado norte-americano entra em túnel durante a Guerra do Vietnã
    © AP Photo / Joe Holloway Jr
    Soldado norte-americano entra em túnel durante a Guerra do Vietnã

    Os vietnamitas criaram armadilhas refinadas para as "ratazanas de túneis", jogando granadas contra eles, envenenando-os com cobras e escorpiões e afogando-os. Em média, 50 por cento dos americanos que desciam a estes túneis não voltavam.

    Os destacamentos especiais não conseguiram destruir a infraestrutura subterrânea dos guerrilheiros e os americanos começaram a usar bombardeios massivos. A região mais escavada por túneis acabou por ser destruída na sequência destes ataques aéreos.

    Mais:

    Forças de Defesa de Israel destroem 5º túnel do Hezbollah (VÍDEO)
    Netanyahu: operação que descobriu túneis do Hezbollah está terminando
    Israel começa a demolir túneis escavados pelo Hezbollah na fronteira com o Líbano
    Israel descobre 4º túnel de ataque do Hezbollah escavado desde o Líbano (VÍDEO)
    Tags:
    guerra, guerrilheiros, túneis, morte, Afeganistão, Israel, EUA, Vietnã, Líbano, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik