19:51 23 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Uma bateria do sistema de defesa aérea dos EUA Patriot (foto de arquivo)

    Eficiência de defesa dos EUA contra mísseis balísticos é 'muito baixa', diz especialista

    © Sputnik / Igor Zarembo
    Defesa
    URL curta
    690

    Segundo o designer chefe do Instituto de Moscou de Tecnologia Termal, Yury Solomov, a eficiência das unidades de defesa dos EUA contra mísseis balísticos no Alasca e na Europa é 'extremamente baixa'.

    A declaração foi publicada no jornal russo Argumenti Nedeli, nesta quinta-feira (27).

    A velocidade máxima do míssil Avangard, dotado de um corpo de titânio resistente às altas temperaturas, supera 20 vezes a velocidade do som
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Federação da Rússia
    "Tudo relacionado ao sistema de defesa existente deixou ser há muito tempo algo relacionado a meios de defesa militar e passou para a esfera político-militar. De fato, a eficiência desses sistemas de defesa contra mísseis balísticos é extremamente baixa", disse Solomov quando questionado sobre se as unidades de defesa dos EUA no Alasca e na Europa eram capazes de deter os mísseis balísticos intercontinentais da Rússia.

    No entanto, ele acrescentou que as unidades de defesa colocadas na Europa poderiam ser utilizadas também como armamento ofensivo e que isso seria "um tipo completamente diferente de ameaça".

    Especialistas do Instituto de Moscou de Tecnologia Termal criaram mísseis balísticos estratégicos como os RSD-10 Pioneer, que foi retirado de serviço devido ao Tratado de Forças Nucleares de Faixa Intermediária (INF), em 1987, além dos RT-2PM Topol e dos RSM-56 Bulava.

    Mais:

    Rússia realiza com sucesso testes de sistema de mísseis Avangard
    Lavrov: Rússia não está interessada na corrida armamentista e em novas 'crises de mísseis'
    Alemanha desenvolve 'resposta' a mísseis russos Iskander, escreve mídia
    Kremlin: se mísseis americanos na Europa ameaçarem Rússia, então entrarão 'na mira'
    Tags:
    defesa antiaérea, Tratado de Forças Nucleares de Faixa Intermediária (INF), Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar