10:38 24 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Sistema de defesa aérea S-300

    Entrega de S-300 da Rússia aumentou capacidade da Síria de repelir ataques, diz senador

    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Defesa
    URL curta
    780

    O fornecimento de sistemas de mísseis antiaéreos S-300 aumentou consideradamente a capacidade dos militares sírios de repelir ataques, afirmou o senador russo Aleksei Pushkov após o ataque noturno de mísseis contra a Síria.

    "A julgar pela forma como os sistemas S-300 rechaçaram os ataques de mísseis perto de Damasco, o seu fornecimento aumentou drasticamente a capacidade da Síria de repelir ataques de mísseis", disse Pushkov em sua conta do Twitter.

    Na noite passada (25), o canal de televisão Ikhbariya reportou que a defesa antiaérea da Síria conseguiu interceptar um ataque de vários mísseis disparados contra província de Damasco.

    "O ataque inimigo foi efetuado a partir do espaço aéreo libanês, foram derrubados vários alvos inimigos", informou a mídia.

    Aviões da Força Aérea de Israel violaram o espaço aéreo ao sul do Líbano ao realizar manobras a baixa altitude sobre Nabatiye e também sobre a região de Al Tufa, comunicou a agência de notícias libanesa NNA.

    As cidades libanesas de Tiro e Sidon também tiveram seu espaço aéreo invadido por aeronaves provenientes do mar Mediterrâneo.

    Israel viola periodicamente as fronteiras aéreas, navais e terrestres do Líbano. Por esse motivo, Damasco pediu diversas vezes ao Conselho de Segurança da ONU que fossem tomadas medidas relativamente a essas invasões.

    Mais:

    'É por inveja': analista comenta reação dos EUA às entregas de S-300 à Síria
    Israel é capaz de superar sistemas russos S-300 e S-400, afirma analista
    Empresa israelense afirma que S-300 na Síria 'ainda não estão operacionais' (FOTO)
    Israel teria tentado 'eliminar' S-300 russos durante treinos com Grécia (FOTO)
    Tags:
    sistema antimísseis, capacidade, defesa aérea, S-300, Aleksei Pushkov, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik