20:14 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Aeronave P-8 Poseidon da Marinha dos EUA

    Marinha dos EUA pode mover caçadores de submarinos para rastrear Rússia e China no Alasca

    © AP Photo / Rob Griffith
    Defesa
    URL curta
    346

    Marinha dos EUA está considerando a utilização da aeronave caçadora de submarino P-8 Poseidon em uma antiga base no Alasca para vigiar de perto as ações da China e Rússia no Ártico.

    Segundo o secretário da Marinha dos EUA, Richard Spencer, essa ação é devido à presença das tropas russas no Ártico para realizar missões de busca e salvamento. Além da crescente presença da China na região.

    Spencer ainda declara que os EUA devem elevar suas forças como uma tentativa de figurar o serviço norte-americano na região.

    Com relação à pista da ilha de Adak, uma remota ilha a centenas de milhas da costa do Alasca e nas proximidades da ilha de Aleutian está sendo "muito bem formada" com a finalidade de criar um campo aéreo para a Marinha.

    Os oficiais da Marinha estimaram um custo de aproximadamente US$ 1,3 bilhão (R$ 5 bilhões) para reativar a base de Adak, entretanto, Spencer afirma que a Marinha conseguiria isso com um custo menor.

    A região do Ártico abriga aproximadamente 15% do petróleo remanescente do mundo, assim como 30% dos depósitos de gás natural.

    De acordo com o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, os EUA teriam criado uma segunda frota operacional da Marinha dos EUA desde agosto, com o objetivo de expandir sua presença militar no Ártico. Entretanto, enquanto os EUA planejam se expandir, a Rússia estaria planejando estratégias para conter qualquer tipo de ameaça na região.

    Mais:

    Adeus Ártico? Washington não tem fundos para construir quebra-gelos, aponta jornal
    EUA conseguirão recuperar posições no Ártico? Especialista avalia balanço de forças
    EUA anunciam necessidade de reforçar presença militar no Ártico
    Tags:
    submarino, base naval, Marinha, base aérea, Ártico, Alasca, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar