15:54 21 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Saturno, uma das máquinas de força pulsante de Sandia, em operação no Laboratório Nacional Sandia (SNL), na cidade norte-americana de Albuquerque (imagem referencial)

    China está desenvolvendo versão da Máquina Z, o maior gerador de raios X do mundo

    © flickr.com/ Sandia Labs
    Defesa
    URL curta
    3191

    Considerada o gerador de raios X maior do mundo, a China desenvolveu sua própria versão da chamada máquina Z, operada pelo Laboratório Nacional Sandia (SNL), na cidade norte-americana de Albuquerque.

    Construída com o propósito de observar o comportamento das partículas em condições extremas de radiação e pressão magnética, a máquina pode ser utilizada para criar armas nucleares, desde ogivas a bombas de hidrogênio.

    Para desbancar os norte-americanos nesse setor, os chineses estão desenvolvendo um dispositivo que liberará muito mais eletricidade do que a Máquina Z, com a finalidade de simular explosões termonucleares a uma escala sem precedentes, comunica o South China Morning Post.

    Enquanto que a unidade americana de Albuquerque tem a capacidade de gerar 2,7 milhões de joules de energia, a versão chinesa poderá em breve gerar 60 milhões, o que poderá ajudar os cientistas a estudar o comportamento de novos modelos de ogivas e outras armas em condições extremas.

    A Academia de Engenharia Física da China (CAEP), a pedido da Defesa chinesa, é responsável pela construção da máquina em uma base nuclear, localizada na cidade de Mianyang, comunica o jornal.

    Segundo o professor Liu Bo, do Instituto de Ciência e Tecnologia Nuclear da Universidade de Sichuan, localizado na cidade chinesa de Chengdu, o aparelho pode ser suficiente para "iniciar uma fusão", podendo tanto ser utilizado para o desenvolvimento de armas de destruição em massa como para criar tecnologias que gerem energia limpa em quantidades praticamente ilimitadas.

    Em maio deste ano, o jornal China Youth Daily afirmou que a CAEP busca ganhar dos EUA no setor de desenvolvimento de armas nucleares, tornando-se este o principal objetivo dos cientistas chineses que trabalham em instalações altamente secretas.

    O presidente norte-americano, Donald Trump, classificou a situação como "corrida armamentista incontrolável", lamentando que os países tenham que investir grandiosos valores no desenvolvimento militar.

    Como resposta a Trump, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, afirmou que Pequim nunca fez parte de nenhum tipo de disputa armamentista e que "não constitui ameaça para nenhum país".

    Mais:

    Abra caminho para ogiva nuclear! Ela em breve desaparecerá na 'base secreta' dos EUA
    EUA desenvolvem ogiva nuclear para conter Rússia, diz mídia
    Míssil norte-coreano Hwasong-15 é capaz de carregar 'ogiva nuclear pesada'
    EUA vão desenvolver míssil de cruzeiro capaz de levar ogiva nuclear
    Tags:
    bomba de hidrogênio, ogivas, energia nuclear, partículas, raio X, arma nuclear, máquina, Donald Trump, Geng Shuang, Albuquerque, Pequim, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar