01:41 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Porta-helicópteros Atlântico no Píer Mauá, no Rio de Janeiro, em 11 de dezembro de 2018

    Marinha celebra Dia do Marinheiro com visitas abertas ao porta-helicópteros Atlântico

    © Sputnik / Renan Lúcio
    Defesa
    URL curta
    595
    Nos siga no

    Para comemorar o Dia do Marinheiro, a Marinha do Brasil está realizando visitas abertas ao porta-helicópteros Atlântico, aquisição que conferiu às forças navais importantes capacidades anfíbias e de operações com helicópteros embarcados para a manutenção da segurança do Atlântico Sul e a defesa dos interesses nacionais em qualquer parte do planeta.

    O Dia do Marinheiro é celebrado em homenagem ao patrono da Marinha, Joaquim Marques Lisboa, conhecido como Almirante Tamandaré ou Marquês de Tamandaré, nascido em 13 de dezembro de 1807. Este ano, com o intuito de promover maior aproximação com a sociedade nessa importante data, a Marinha resolveu mostrar ao público uma de suas mais importantes embarcações, o PHM Atlântico, maior navio de guerra operado por um país da América Latina.

    ​A visitação pública e gratuita, iniciada no último dia 11, termina nesta quinta-feira. Ela acontece no Armazém 1 do Píer Mauá, no Rio de Janeiro, das 14h às 18h.

    ​De fabricação britânica, o ex-HMS Ocean, como era chamado antes de ser rebatizado, tem 203,43 metros de comprimento, capacidade para operar simultaneamente sete aeronaves em seu convés de voo e transportar até 12 aeronaves em seu hangar. O navio, que pode levar até 800 militares e desembarcá-los por helicópteros ou usando suas quatro lanchas, pesa 21.578 toneladas quando carregado. O Atlântico custou ao Brasil US$ 109 milhões, mas o governo britânico já havia pagado US$ 92 milhões só pela modernização pela qual o navio passou entre 2013 e 2014, segundo informações da Marinha do Brasil. 

    ​Em entrevista à Sputnik Brasil, o comandante da embarcação, o capitão-de-mar-e-guerra Giovani Corrêa, afirmou que o PHM Atlântico complementa as capacidades atuais da Marinha com sua versatilidade e excelentes possibilidades de comando e controle, podendo ser empregado em qualquer região do globo. 

    "Até o início deste ano, ele era o navio-capitânia da Marinha do Reino Unido. Então, foi um navio muito bem conservado ao longo do tempo em que ele operou com a Marinha inglesa", disse o militar. 

    ​Construído pelas empresas Kvaerner Govan e Vickers Shipbuilding Enginnering Limited (VSEL), em Barrow-in-Furness, na Inglaterra, em meados dos anos 1990, com o batimento de quilha em 30 de março de 1995, o PHM Atlântico foi lançado ao mar em outubro do mesmo ano e comissionado em setembro de 1998. Junto às forças britânicas, o navio participou de diversas operações, incluindo ações humanitárias nas costas de Honduras e Nicarágua e no Kosovo, intervenção do Reino Unido em Serra Leoa, guerra do Iraque, ação da OTAN na Líbia e Jogos Olímpicos de Londres.

    Mais:

    No Rio, o mais recente navio da Marinha do Brasil: porta-helicópteros com radar 3D (VÍDEO)
    Marinha do Brasil inicia nova expedição à Antártica (VÍDEO)
    Tags:
    embarcação, navio, porta-helicópteros, PHM Atlântico, HMS Ocean, Vickers Shipbuilding Enginnering Limited, Kvaerner Govan, Marinha do Brasil, Giovani Corrêa, Marquês de Tamandaré, Inglaterra, Reino Unido, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar