02:35 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados da Força de Auto-Defesa do Japão participam da cerimónia de abertura da nova base militar na ilha Yonaguni na prefeitura de Okinawa, Japão, 28 de março de 2016

    Mídia: Japão quer elevar gastos militares a um nível recorde e comprar mais armas dos EUA

    © REUTERS / Kyodo
    Defesa
    URL curta
    10913

    O Ministério da Defesa do Japão pretende enfrentar seus desafios de segurança com um aumento recorde de gastos militares e estreitar os seus laços com os EUA comprando mais armamentos estadunidenses, informou o jornal financeiro Nikkei.

    Segundo o diário, se pretende gastar pelo menos 27 trilhões de ienes (R$ 938 bilhões) entre abril de 2019 e março de 2024. Isso se conseguiria com um aumento anual de 1,1% durante esse período, significativamente maior que os 0,8% do lustro atual.

    Comunica-se que o plano dos militares inclui uma separação entre os gastos domésticos, relacionados com pessoal e equipamentos existentes, e a aquisição de armas. A primeira parte agora é equivalente a 80% dos gastos militares.

    A separação das despesas com novos equipamentos facilitaria as compras de Washington, que pressiona para uma maior importação de bens norte-americanos ao mesmo tempo que ameaça com novas tarifas sobre automóveis para reduzir o atual déficit comercial com Tóquio.

    De acordo com o diário, o Ministério espera que as maiores ameaças à segurança que atualmente enfrenta o Japão, entre as quais continua se destacando o potencial nuclear e balístico da Coreia do Norte, ajudem que o planejado seja aprovado pelo poder executivo japonês nos meados de dezembro.

    Mais:

    Fuzileiros dos EUA iniciam resgate após queda de dois aviões perto do Japão
    Analista avalia probabilidades de assinatura de tratado de paz entre Rússia e Japão
    Destróier japonês perde 21 projéteis de grande poder destrutivo
    Tags:
    segurança, ameaças, milhões, equipamento militar, compra, gastos militares, aumento, Ministério da Defesa do Japão, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik