13:34 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Aeronáutica cobra do governo mais recursos para a FAB

    FAB compra radares por US$140 milhões

    Agência Aérea/Sgt. Batista/Fotos Públicas
    Defesa
    URL curta
    10222

    A Força Aérea Brasileira (FAB) vai adquirir três radares móveis para reforçar a fiscalização nas fronteiras, informou Agência Brasil.

    O Ministério da Segurança Pública e a FAB assinaram nesta terça-feira um termo de parceria, no âmbito da qual a Aeronáutica receberá R$ 140 milhões para compra de três radares móveis.

    O anúncio da parceria foi antecipado pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, em 29 de setembro. Jungmann anunciou que o convênio para a aquisição de radares aéreos de baixa altitude permitirá o reforço do combate à entrada de armas e drogas no país. 

    Uma licitação será aberta e ainda não há prazo de entrega do equipamento.

    "[Este repasse] Significa dizer que estamos fechando o espaço aéreo para o transporte criminoso […] Porque sabemos que cada centavo será utilizado e multiplicado em termos de garantias e de [proteção] à soberania nacional", disse Jungmann durante a assinatura do documento.

    "Temos cinco países vizinhos que são ou grandes produtores ou refinadores ou passagem de drogas. Substâncias que, quando ingressam por nossas fronteiras, se transformam em violência, em tragédia", declarou o ministro.

    Segundo o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato, os três radares deverão "fechar áreas cegas da fronteira". 

    "O uso desses radares nos auxiliará na missão de defender nosso território. Defender o espaço aéreo é importante. Até porque, como os acessos por via terrestre são difíceis, é mais fácil [para os criminosos] entrar com drogas no país por vias aéreas", disse Rossato, citado pela Agência Brasil.

    Mais:

    Desmatamento na Amazônia bate recorde pelas mãos de madeireiros e do agronegócio
    Mensagem alienígena? Brasil tomba inscrições milenares na Amazônia
    Preservação da Amazônia: políticas ambientais de Bolsonaro geram 'imprevisibilidade'
    Calor das eleições pode ter contribuído para aumento das queimadas e tensões na Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik