04:29 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Laser instalado a um veículo militar (imagem ilustrativa)

    Exército da China fortalece segurança do país com novíssimo laser (FOTO)

    CC BY 2.0 / Programa Executive Office Soldier
    Defesa
    URL curta
    11400

    O Exército Popular de Libertação da China planeja instalar os sistemas a laser LW-30 na região autônoma do Tibete e nas ilhas situadas no mar do Sul da China.

    Na 12ª Exposição Internacional de Aviação e Aeroespacial da China, os engenheiros do país apresentaram o novo equipamento militar. Trata-se do laser de 30 quilowatts LW-30, projetado para ser instalado em veículos todo o terreno.

    A arma é capaz de interceptar pequenos alvos aéreos voando a velocidades de até 200 km/h, inclusive drones espiões. Os LW-30 também tem poder suficiente para derrubar mísseis e bombas aéreas.

    O sistema está equipado com um radar e pode operar em várias condições, incluindo em áreas montanhosas e regiões de alta humidade.

    ​#AirshowChina2018: a Corporação de Ciência e Indústria Aeroespacial da China (CASIC) apresenta o sistema de armamento a laser LW-30

    Até agora, os sistemas já passaram por todos os testes necessários e estão prontos para entrar em serviço do Exército nacional.

    Segundo afirmou ao Global Times o especialista militar chinês Song Zhongping, os sistemas poderiam ser implantados no Tibete ou nos arquipélagos que se situam no mar do Sul da China.

    Além disso, destacou, usar laseres é significativamente mais barato de que efetuar lançamentos de um míssil convencional.

    Mais:

    EUA contra China: qual é o verdadeiro 'pomo da discórdia' entre as duas potências?
    Míssil chinês seria uma das armas mais letais de Pequim, afirma mídia
    Pequim defenderá seu território custe o que custar, afirma ministro da Defesa chinês
    Tags:
    disputa territorial, todo-o-terreno, veículos de combate, arma a laser, equipamento militar, Exército Popular de Libertação, Mar do Sul da China, Tibete, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik