07:18 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Veículos militares lavando mísseis balísticos chineses DF-26

    Míssil chinês seria uma das armas mais letais de Pequim, afirma mídia

    © AFP 2018 / Andy Wong
    Defesa
    URL curta
    5233

    Os mísseis DF-26 de médio alcance foram desenvolvidos pela Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China e atualmente são utilizados pelo Exército Popular de Libertação da China.

    O alcance dos mísseis DF-26 é de entre 3.000 e 4.000 km, além disso, eles poderiam ter como ogivas nucleares capazes de afundar porta aviões, ou seja, o míssil é capaz de realizar um ataque nuclear ou convencional, atingindo alvos terrestres e marítimos, inclusive navios de média e grande envergadura localizados a grandes distâncias, conforme o artigo publicado pela revista The National Interest.

    Os mísseis surgiram durante a parada militar na China em setembro, onde foram fotografados. Os DF-26 são baseados em plataformas móveis e podem ser utilizados contra objetivos estratégicos ou contra objetivos táticos.

    Os DF-26 também são conhecidos como "assassinos de Guam", pelo fato de serem capazes de atingir as bases militares dos EUA na ilha de Guam, além de poderem ser disparados rapidamente e possuírem grande mobilidade.

    Os "matadores de porta-aviões", como também são chamados os mísseis DF-26, podem ameaçar seriamente os mais poderosos navios da frota americana antes mesmo de chegarem próximo da China.

    Entretanto, a China afirma que o míssil tem caráter exclusivamente defensivo e não pretende utilizar armas nucleares por qualquer outro motivo que não seja a autodefesa, mas admitem que o país estará mais presente entre as grandes potências e que todos terão de se acostumar a isso.

    Mais:

    Impérios contra-atacam: Rússia, Índia e China abandonam o dólar
    China apresenta sua estação espacial que substituirá EEI (FOTOS)
    China mostra novíssimo drone furtivo de combate CH-7 (FOTOS)
    Tags:
    ogiva nuclear, armamentos, mísseis, míssil, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik