07:24 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Lança-mísseis (foto de arquivo)

    'Monstro de mísseis' sírio está pronto para derrotar terroristas no sul do país (FOTO)

    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Defesa
    URL curta
    4342

    O sistema lança-mísseis sírio Golan-1000, considerado um dos mais potentes de seu tipo, foi transferido para as colinas de Tulul al-Safa, no deserto de As-Suwayda, no sul do país, onde as tropas governamentais estão lutando contra os terroristas do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários ouros países).

    O surgimento do veículo lançador múltiplo, batizado na mídia de "monstro de mísseis", pode ser considerado como um teste em condições de combate reais, já que anteriormente havia sido comunicado apenas sobre casos isolados de uso do sistema, de acordo com o portal Russkoe Oruzhie.

    ​Pela primeira vez este veículo de combate foi demonstrado em maio deste ano pelos militares da quarta divisão de tanques da Síria.

    De acordo com o portal, as características do sistema divulgadas impressionaram os especialistas militares. O Golan-1000 utiliza o chassi padrão do tanque soviético T-72. Caso os terroristas sejam atingidos pelo fogo de seus mísseis de 500 mm e 500 kg de peso, eles praticamente não terão chances de sobreviver.

    Além disso, durante seu uso em combate o veículo pode ser operado remotamente, tendo para isso um painel especial.

    Previa-se que, depois de ter sido apresentado, o Golan-1000 começasse a participar ativamente de combates, contudo, pelo visto, seu desenvolvimento demorou mais do que o planejado, fazendo com que o lança-mísseis tenha surgido na área de combates somente agora.

    Mais:

    Exército: Síria tem direito de combater EUA no seu território de todos os modos possíveis
    EUA querem saída da Síria das forças estrangeiras que estão lá desde 2011
    EUA dizem estar preocupados com instalação de sistemas S-300 na Síria
    Tags:
    armas, lançador de mísseis, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik