01:14 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Fuzileiros navais dos EUA durante treinamentos na Noruega (foto de arquivo)

    Por que os exercícios da OTAN na Noruega podem custar caro à Europa?

    CC0 / Flickr/Governo do EUA/Staff Sgt. Steve Cushman
    Defesa
    URL curta
    5111

    Os exercícios da OTAN Trident Juncture 2018 estão sendo realizados na Noruega desde 25 de outubro com a participação de 29 países.

    As manobras contam com 50 navios, 250 aeronaves, dez mil veículos de transporte e 50.000 efetivos. A Suécia e a Finlândia apoiam as manobras. 

    Hordas do Norte

    Os treinamentos de combate convencionais marítimos, terrestres e aéreos se encerram em 7 de novembro. O teatro geográfico dos exercícios abrange a parte central e oriental da Noruega, as áreas adjacentes do Atlântico Norte, os estreitos dinamarqueses do mar Báltico, mar da Noruega e do Norte, Islândia, o espaço aéreo da Suécia e Finlândia. O almirante norte-americano James Foggo está no comando dos exercícios. 

    O roteiro dos exercícios é o seguinte: a pacífica Noruega foi alvo de uma agressão militar por parte de um país fictício do norte, denominado Murinus. O objetivo principal das manobras, segundo a OTAN, é praticar a rápida transferência de forças através do Atlântico e através da Europa, além de trabalhar as ações das unidades da Aliança em climas frios. 

    Os exercícios custarão à OTAN um valor substancial: somente para a transferência de equipamento e pessoal foram necessários 180 voos e 60 navios fretados, sem mencionar o custo das munições, combustível e comida. O volume dos contratos celebrados com empresas norueguesas para prestar apoio aos exercícios é estimado em 159 milhões de euros (R$ 673,1 milhões).

    Dançando nas fronteiras

    As manobras são completamente abertas, transparentes e defensivas, e Murinus existe apenas no papel – todos os participantes e organizadores da Trident Juncture, incluindo o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, tentam frisar esse aspeto em seus discursos. Para que ninguém tenha dúvidas sobre isso, todos os representantes dos países da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), incluindo a Rússia, foram convidados para acompanhar os exercícios. 

    No entanto, Moscou não acredita na inocuidade desses treinamentos. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia classificou as manobras da OTAN como uma provocação antirrussa e enfatizou seu impacto negativo na segurança de todos os países da região. O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, disse na quarta-feira (31) que a atividade militar da OTAN perto das fronteiras russas atingiu um nível sem precedentes. 

    "A OTAN não pode combater com mais ninguém nesta região", disse à Sputnik o analista militar Konstantin Sivkov, acrescentando não descartar que, sob o disfarce dos exercícios, a Aliança implante grupos de tropas para invadir a Rússia. 

    "A única coisa que os está detendo é o status nuclear do país", frisou.

    Mesmo o tablóide Stars and Stripes do Departamento de Defesa dos EUA admitiu que o país Murinus, apesar de fictício, foi claramente desenhado por estrategistas da OTAN com base em um modelo muito real.  

    O jornal reportou que "Stoltenberg disse que estava trabalhando em ações contra um 'agressor fictício', no entanto os exercícios Trident Juncture foram projetados para simular o 'inimigo mais próximo' e o único na vizinhança, que é a Rússia."

    Ilusão de proteção

    "Os EUA e a OTAN agora precisam de mostrar a todo custo que continuam a ser um apoio confiável e uma proteção para toda a Europa", disse o professor da Academia de Ciência Militar, Sergei Sudakov. 

    Segundo ele, os norte-americanos estão tentando semear entre os cidadãos europeus o medo de uma grande guerra para que a Europa canalize seu dinheiro para a manutenção da OTAN, incluindo a compra de armas dos EUA e a implantação de novas bases militares. 

    "Para os Estados Unidos, este é um sistema comprovado de gerar renda e um mecanismo de escravizar outras nações: assim que desdobram uma base militar no território de outro país, esse perde a soberania", salientou Sudakov.

    Mais:

    OTAN receia 'aventureirismo militar' da Rússia, diz fonte
    Bombardeiros russos sobrevoam águas neutras do mar da Noruega em meio às manobras da OTAN
    Novo armamento russo é capaz de 'paralisar completamente sistemas de comunicação da OTAN'
    Tags:
    tropas, armamento, bases, ameaça, fronteiras, exercícios, Trident Juncture 2018, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, OTAN, OSCE, Sergei Shoigu, Jens Stoltenberg, Europa, EUA, Rússia, Noruega
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik