01:18 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Complexos S-400 Triumph lançam mísseis durante treinamentos da Força Aeroespacial da Rússia

    Novo míssil hipersônico russo 'mudará as regras do jogo', escreve edição americana

    © Sputnik / Ruslan Krivobok
    Defesa
    URL curta
    11580

    O míssil russo 40N6, da classe terra-ar e com uma velocidade hipersônica de Mach 14 (cerca de 17 mil km/h), mudará as regras do jogo para as Forças Armadas da Rússia e seus aliados, escreve a edição norte-americana Military Watch.

    "O míssil 40N6 traça uma trajetória única para um projétil terra-ar. Alcança altitudes de até 30 quilômetros antes de efetuar uma descida brusca. A plataforma usa [um radar ativo] para subir até uma determinada altitude antes de entrar no regime de 'buscar e destruir'. Isso é a chave para que o míssil possa atingir alvos a baixas altitudes", explica o portal.

    No total, a Força Aeroespacial da Rússia receberá em serviço mais de 1 mil unidades desses mísseis até o ano 2027, que irão armar os complexos de defesa antiaérea S-400.

    Entretanto, tais países como Turquia, Argélia, Bielorrússia, Índia e China já expressaram desejo de adquiri-los. Ademais, supõe-se que Arábia Saudita, Iraque e Marrocos se juntem à lista de compradores.

    Como explica o artigo publicado na edição estadunidense, os 40N6 "mudam as regras do jogo" na Europa ou no estreito de Taiwan, e até na África do Norte e no golfo Pérsico.

    Mais:

    Imprensa: EUA ainda precisam de 8 anos para terminar seu novo míssil de cruzeiro nuclear
    Trump teria confundido vídeo antigo sobre Coreia do Norte com lançamento de míssil ao vivo
    Novo míssil russo Kalibr alcançaria qualquer capital da Europa, relata almirante dos EUA
    Analista militar ucraniano anuncia criação de míssil capaz de 'alcançar Moscou'
    Rússia realizou 2 testes com míssil capaz de romper qualquer defesa, diz ministério
    Tags:
    novas regras, terra-ar, alcance, míssil hipersônico, S-400, S-300, Força Aeroespacial da Rússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik