11:10 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump, e seu homólogo russo, Vladimir Putin, durante a reunião em Helsinque, Finlândia

    Imprensa dos EUA chama a saída dos EUA do Tratado INF de 'presente para Rússia'

    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Defesa
    URL curta
    Provável saída dos EUA do Tratado INF (24)
    4263

    A revista norte-americana The National Interest chamou a decisão do presidente norte-americano Donald Trump de retirar o seu país do Tratado INF de "presente para a Rússia".

    De acordo com a edição, uma administração mais confiante, em vez de romper o tratado, consultaria seus aliados da OTAN e "faria" a Rússia se sentar à mesa das negociações, mostrando que o Kremlin "não iria conseguir provocar o pânico na Aliança e destruir todos os tratados". 

    O autor da matéria, Tom Nichols, qualificou a ação de Trump como perigosa e afirma que esta joga a favor da Rússia. Segundo ele, no momento em que o tratado foi firmado, a URSS tinha supremacia em armas convencionais, enquanto a OTAN seguia a doutrina de "primeiro golpe", ou seja, utilização de armas nucleares em caso de uma agressão externa antes que seu inimigo decidisse atacar.

    Enquanto isso, a liquidação dos mísseis de curto e médio alcance tornou impossível a escalação gradual desde a utilização de armas convencionais até ataques nucleares. Agora, após o colapso da URSS, segundo o autor do artigo, são os EUA e a OTAN que têm supremacia em armas convencionais. O rompimento do tratado prejudica os interesses de Washington.

    Além disso, a edição aponta que a Rússia está interessada no rompimento do tratado e, alegadamente, vinha provocando os EUA a dar este passo, violando constantemente o mesmo. Segundo o autor, Moscou está tentando "intimidar" os aliados de Washington com o fantasma de uma guerra regional.

    Enquanto isso, o autor da matéria considera como inconsistente a argumentação dos EUA, que afirmaram estar saindo do tratado para pressionar a China. Segundo ele, Washington não dispõe de mísseis aptos para uma "guerra nuclear limitada na Ásia", nem de bases para seu posicionamento. 

    O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de ter mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com um alcance de 500 — 5.500 quilômetros.

    Em 20 de outubro, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que seu país abandonaria o Tratado INF, alegando supostas violações do acordo pela Rússia.

    Mais tarde, o presidente estadunidense acrescentou que os EUA aumentarão suas capacidades nucleares até que os outros países, como a Rússia e a China, "retomem a razão".

    Tema:
    Provável saída dos EUA do Tratado INF (24)

    Mais:

    Pacifista dos EUA: Trump pode rasgar INF sem consenso do Senado
    Tratado INF impede EUA de terem supremacia sobre China no oeste do Pacífico?
    Rússia pode reaver presença militar nas Américas caso Trump saia do Tratado INF?
    Tags:
    presente, Tratado INF, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik